Enrique Gorriarán Merlo: ex-rebelde que colocou fim à vida do ex-ditador nicaraguense Anastasio Somoza

Enrique Gorriarán Merlo. Crédito: https://www.agenciapacourondo.com.ar/

O ex-ditador nicaraguense Anastasio Somoza foi justiçado no dia 17 de setembro de 1980, em Assunção, Paraguai, por um comando do Exército Revolucionário do Povo, liderado por Enrique Gorriarán. O texto abaixo, publicado originalmente na Folha de S. Paulo, em 23 de abril de 2001, é resultado de uma entrevista feita por Breno Altman com o ex-rebelde argentino, então preso em Buenos Aires. Enrique Gorriarán morreu em 2006.

Quase sempre apresentado como um dos mais temíveis chefes terroristas da América Latina, o argentino Enrique Gorriarán Merlo, 59 anos, condenado à prisão perpétua, está encarcerado na Penitenciária de Vila Devoto, em Buenos Aires, onde recebeu a reportagem da Folha.  Ele responde pelo ataque ao quartel de La Tablada, em janeiro de 1989, durante o mandato de Raúl Alfonsín, o primeiro presidente eleito no país depois do regime militar (1976-1983).

Doze anos depois desses acontecimentos, no entanto, o ex-líder guerrilheiro passou a defender métodos políticos diferentes. “No mundo de hoje não há espaço para a luta armada“, afirma. “A esquerda deve buscar seus objetivos por meio da participação nas instituições democráticas“. Sua análise busca explicar essa virada como resultado de uma inflexão dos inimigos que sempre combateu. “As Forças Armadas latino-americanas, depois da Guerra Fria, ficaram desmoralizadas. Atualmente, os regimes democráticos são soluções mais estáveis para os grandes investidores”, ressalta.

Se o outro lado não faz a guerra, as armas não devem substituir a política. A hora da rebelião só chega quando acaba a da democracia“, acredita. Mas faz questão, porém, de insistir que não é um guerrilheiro arrependido. As palavras ganham acidez diante da insinuação de corresponsabilidade pela violência que marcou a sociedade argentina nas décadas de 1970 e 1980. “Apenas reagimos ao terror imposto pelos militares“, declara. “Exercemos o direito de legítima defesa contra um regime que torturava, matava e fazia desaparecer seus oponentes.”

Gorriarán é um dos nomes mais célebres dessa geração que empunhou armas por suas ideias. Nascido em San Nicolás, na província de Buenos Aires, estudou economia em Rosário e trabalhou no frigorífico Swift, um dos maiores do país. Nos anos 1960, ingressou no Partido Revolucionário dos Trabalhadores (PRT) e logo chegou à sua direção.

Quando essa agremiação decidiu-se pela insurgência, formou um braço armado denominado Exército Revolucionário do Povo (ERP), um dos principais grupos guerrilheiros argentinos. Gorriarán estava na linha de frente. Sobre seus ombros pesa uma vasta lista de operações. Atribuem-lhe sequestros, roubos a banco, ataques a quartéis e atentados contra a vida de agentes repressivos, além de fugas lendárias.

Depois que os militares chegaram ao poder, Gorriarán teve que deixar a Argentina. Praticamente toda a direção do PRT-ERP havia sido eliminada. Após um tempo na Europa, tomou o rumo da Nicarágua, onde participou, em 1979, da Revolução Sandinista. Assumiu a direção do Departamento de Inteligência Exterior no governo liderado por Daniel Ortega e Tomas Borge.

A jovem república tinha dificuldades para consolidar-se. O antigo ditador Anastásio Somoza fugira pouco antes que os guerrilheiros ingressassem na capital. Comandava, desde Assunção, no Paraguai, um movimento de resistência aos novos governantes, os “contras”, como ficaram conhecidos os ex-soldados da Guarda Nacional empenhados em atos de sabotagem e terrorismo para desestabilizar o regime emergente.

Gorriarán, então, juntou um punhado de sobreviventes do ERP, gente de sua máxima confiança, e colocou em marcha um plano espetacular. Os militantes argentinos dariam fim à vida do ex-ditador nicaraguense. Às 10h35 de 17 de setembro de 1980, com um tiro de bazuca, morria Somoza na capital paraguaia, à bordo de um Mercedes Benz prateado. Os serviços de segurança não demoraram a identificar o comandante da operação.

Quem deu o disparo mortal foi Hugo Irurzun, o capitão Santiago, um experiente quadro do ERP“, lembra Gorriarán. “Ele usava uma bazuca chinesa chamada RPG-2.” O atirador, porém, não conseguiu escapar. Localizado pela polícia paraguaia em uma casa que servia de esconderijo, segundo o relato de Gorriarán, foi baleado, preso e fuzilado. Um pôster em sua homenagem forra a parede da cela de Vila Devoto.

Santiago cumprira instrução militar em diversas escolas guerrilheiras. Uma delas, recorda um ex-militante do ERP, estava localizada na Líbia. Lá foi seu colega de treinamento, no final dos anos 1970, outro argentino com história extraterritorial. Chamava-se Humberto Paz, o líder do comando que sequestrou, em 1989, o empresário brasileiro Abílio Diniz, no bairro paulistano do Itaim. Gorriarán, depois do atentado contra Somoza, fugiu para o Brasil e voltou no final de 1980 ao país dos sandinistas.

A partir de 1983, com o fim do regime militar na Argentina, começou a planejar seu retorno à terra natal. Circulava pelo continente, sempre com documentação falsa. Do exílio, coordenou a fundação do Movimento Todos pela Pátria (MTP), que alcançaria celebridade com a tentativa de tomada do quartel de La Tablada. Um de seus refúgios foi a cidade do Guarujá, no litoral paulista.

Jamais pode voltar legalmente a seu país, apesar de ter ingressado várias vezes como clandestino. O governo Alfonsín, para acalmar o desassossego dos militares com os processos por genocídio, manteve vigente uma ordem de captura contra o ex-dirigente do ERP. Até hoje corre na Justiça uma acusação por ter participado em ataque ao regimento do Exército na cidade de Azul, há 27 anos.

Clandestino desde 1973, depois de escapar de uma prisão no norte do país, viveu mais de vinte anos foragido. Acabou sendo detido pelo serviço secreto argentino em outubro de 1995, na cidade de Tepostlán, no México. Não havia sentença de extradição, mas foi embarcado na calada da noite para Buenos Aires. Um grupo de deputados mexicanos abriu um processo contra o Estado por cumplicidade ilegal com a polícia argentina.

Nos próximos meses, Gorriarán entrará com uma solicitação junto à Comissão Inter-Americana de Direitos Humanos. Alegará que sua prisão foi irregular e que, portanto, deveria ser devolvido ao México para o julgamento de um pedido formal de repatriação. Em dezembro encerrou, com outros doze presos do MTP, a mais longa greve de fome da história latino-americana, com 116 dias de duração. Todos os condenados conseguiram ter suas sentenças reduzidas e passaram a um regime semi-aberto (podem sair da cadeia para trabalhar e estudar, regressando apenas para dormir).

Mas Gorriarán voltou à sua cela sem obter qualquer benefício penal. Um sorriso nervoso revela o desconforto. O jeito pausado chega a ficar alterado. “Os generais da ditadura foram indultados por seus crimes bárbaros“, protesta Gorriarán. “Mas eu fui escolhido para pagar pela audácia de uma geração.

Fonte: Texto originalmente publicado no site do Opera Mundi.
Link direto: http://bit.ly/operamundi-EnriqueGorriaránMerlo

Breno Altman
Jornalista e fundador do site Opera Mundi. Escreve mensalmente para o Blog da Boitempo sobre história da esquerda brasileira, latino-americana e mundial.

Deixe seu comentário

Tema: Baskerville 2 por Anders Noren

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: