Exército de Moçambique diz que cidade atacada por jihadistas agora está segura

Crédito: J. Nhamirre/AFP/DW.

A cidade no norte de Moçambique, que foi atacada por combatentes ligados ao Estado Islâmico do Iraque e do Levante (ISIL), no final do mês passado, agora está segura, após a atuação de militares que abateu um número significativo de jihadistas, conforme anunciou um porta-voz do exército e um oficial provincial. O comandante Chongo Vidigal, líder das operações militares para recuperar o controle de Palma, disse à televisão estatal TVM nesta segunda-feira que a área agora estava “segura”, embora ele não tenha declarado que o exército havia recuperado o controle total. “A área do campo de aviação era a única que precisávamos  limpar e fizemos isso esta manhã. É totalmente seguro ”, disse Vidigal.

Armindo Ngunga, secretário de Estado da província de Cabo Delgado, disse à agência noticiosa Reuters que a cidade de Palma está “sob o controle do Estado”. “Houve perda significativa de vidas humanas e a infraestrutura foi destruída. Mas as pessoas estão seguras agora ”, acrescentou Ngunga. Em 24 de março, os combatentes atacaram a cidade costeira de Palma, perto de projetos de gás natural no valor de US $ 60 bilhões que visam transformar a economia de Moçambique. O governo de Moçambique diz que dezenas morreram no ataque, e fontes de segurança dizem que os confrontos continuaram fora da cidade até sexta-feira.

Milhares fugiram da cidade de cerca de 75.000 pessoas, de acordo com um pedágio do governo. As Nações Unidas informaram que mais de 11.000 civis fugiram de Palma nos últimos dias. A Reuters não conseguiu verificar as contas de Palma de forma independente. A maioria dos meios de comunicação com a cidade foi cortada após o início do ataque. Imagens feitas pela TVM em Palma mostram um soldado cobrindo um corpo caído na rua e edifícios incendiados. Vidigal disse que as instalações da companhia de energia francesa Total, perto de Palma, estavam sendo protegidas, depois que fontes disseram à Reuters na sexta-feira que a Total havia retirado todos os seus funcionários, em razão da aproximação dos combatentes. “As instalações estão protegidas”, disse ele.

Um porta-voz da Total e do Ministério da Defesa de Moçambique não respondeu imediatamente aos pedidos de comentários. Os combatentes ligados ao ISIL têm estado cada vez mais ativos em Cabo Delgado desde 2017, embora não seja claro se eles têm um objetivo unificado. Grupos de ajuda acreditam que o último ataque deslocou dezenas de milhares de pessoas, muitas das quais fugiram para a floresta densa ou escaparam de barco. Mas a extensão da morte e deslocamento ainda não está clara, e muitos permanecem desaparecidos. Sobreviventes relataram ter visto corpos de outras pessoas que morreram de fome ou desidratação, enquanto tentavam escapar. Milhares invadiram a capital de Cabo Delgado, Pemba, estendendo-se por uma cidade já repleta de pessoas deslocadas por rodadas anteriores de violência, bem como por um ciclone mortal em 2019.

Pode haver bolsões seguros, mas eles definitivamente não estão sob controle”, disse Willem Els, coordenador sênior de treinamento do Instituto de Estudos de Segurança com sede na África do Sul, à agência de notícias AFP. “Os insurgentes ainda estão vagando por aí”, alertou ele, citando fontes locais. “O único enclave realmente seguro no momento é a área ao redor de Afungi.” As forças de segurança foram reforçadas por uma empresa militar privada sul-africana, o Dyck Advisory Group (DAG), mas seu contrato com o governo termina esta semana. O fundador da DAG, Lionel Dyck, confirmou que seu envolvimento termina na terça-feira. “Deus ajude o povo”, disse ele à AFP via WhatsApp na segunda-feira, acrescentando que era “improvável” que os soldados tivessem retomado Palma. Vários especialistas expressaram dúvidas sobre as reivindicações das autoridades para retomar Palma.

Fonte: Texto publicado originalmente no Blog do jornalista Segadas Vianna que fez uso de informações noticiadas pela Al Jazeera.
Link direto: https://blogdosegadas.blogspot.com/2021/04/pela-primeira-vez-governo-da-etiopia.html

José Segadas Vianna

Jornalista, ativista político na Convergência Socialista entre 1977 e 1978. Participou da fundação do PTB mais tarde transformado em PDT, integrando a direção nacional por mais de uma década. Em 1984 assessorou o Ministro da Cultura da Nicarágua, Padre Fernando Cardenal e integrou um Batalhão Internacionalista. Escreveu para os jornais El Nuevo Diário e Barricada, além de ter artigos publicados em grandes jornais.

Deixe seu comentário

Tema: Baskerville 2 por Anders Noren

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: