Escritora moçambicana Paulina Chiziane vence a 33ª edição do Prêmio Camões

Paulina Chiziane. Crédito: https://www.opais.co.mz/

Segundo informa a SIC notícias, a escritora moçambicana Paulina Chiziane é a vencedora da 33ª edição do Prêmio Camões 2021, em escolha unânime do juri, anunciou esta quarta-feira a ministra portuguesa da Cultura, Graça Fonseca. O júri fez referência também à importância que a autora dedica em seus livros aos problemas da mulher moçambicana e africana, além de salientar sobre a importância de seu trabalho recente de aproximação aos jovens, nomeadamente na construção de pontes entre a literatura e outras artes.

O júri decidiu por unanimidade atribuir o Prêmio à escritora moçambicana Paulina Chiziane, destacando a sua vasta produção literária e crítica, bem como o reconhecimento acadêmico e institucional da sua obra. Paulina Chiziane está traduzida em muitos países, e é hoje uma das vozes da ficção africana mais conhecidas internacionalmente, tendo já recebido vários prêmios e condecorações“, conclui-se na mensagem. O júri foi constituído pelos professores universitários Ana Martinho e Carlos Mendes de Sousa (Portugal), pelo escritor e presidente da Academia Campinense de Letras (ACL) Jorge Alves de Lima, pelo professor universitário Raul César Fernandes (Brasil) e pelos escritores Tony Tcheka (Guiné-Bissau) e Teresa Manjate (Moçambique).

Paulina Chiziane nasceu em Manjacaze, Moçambique, em 1955. Estudou Linguística em Maputo. Atualmente, vive e trabalha na Zambézia. Publicou o seu primeiro romance, “Balada de Amor ao Vento” (1990), depois da independência do país, que é também o primeiro romance de uma mulher moçambicana. “Ventos do Apocalipse”, concluído em 1991, foi lançado em Maputo, em 1993, como edição da autora e, posteriormente, publicado em Portugal, pela Caminho, em 1999, antecedendo a publicação de “Balada de Amor ao Vento” no país ibérico, pela mesma editora, em 2003.

A editora portuguesa ainda possui os seguintes títulos da autora: “Sétimo Juramento” (2000), “Niketche: Uma História de Poligamia” (2002), “O Alegre Canto da Perdiz” (2008). No conjunto da obra de Chiziane fazem igualmente parte “As Andorinhas” (2009), “Na mão de Deus”“Por Quem Vibram os Tambores do Além” (2013), “Ngoma Yethu: O curandeiro e o Novo Testamento” (2015), “O Canto dos Escravos” (2017) e “O Curandeiro e o Novo Testamento” (2018). No Brasil, está editada apenas a obra “Niketche: Uma História de Poligamia”.

O Prêmio Camões de literatura em língua portuguesa foi instituído por Portugal e pelo Brasil, com o objetivo de distinguir um autor “cuja obra contribua para a projeção e reconhecimento do património literário e cultural da língua comum”. Segundo o texto do protocolo constituinte, assinado em Brasília, em 22 de junho de 1988, e publicado em novembro do mesmo ano, o prêmio consagra anualmente “um autor de língua portuguesa que, pelo valor intrínseco da sua obra, tenha contribuído para o enriquecimento do património literário e cultural da língua comum“.

O primeiro a receber a premiação foi o escritor Miguel Torga, em 1989. Em 2019, o vencedor foi o músico e escritor brasileiro Chico Buarque, autor de “Leite Derramado” e “Budapeste”, entre outras obras; em 2020, o professor e ensaísta português Vitor Aguiar e Silva. Portugal e Brasil lideram a lista de distinguidos com o Prêmio Camões, com 13 premiados cada, seguidos por Moçambique, agora com três laureados, Cabo Verde, com dois, mais um autor angolano e outro luso-angolano.

Fonte: com informações da notícia publicada originalmente na página da SIC Notícias.

Deixe seu comentário

por Anders Noren

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: