Ministro das Relações Exteriores da Tunísia pede para levar a causa palestina à frente da opinião pública internacional

O ministro das Relações Exteriores da Tunísia, Othman Jerandi. Crédito: https://www.ifm.tn/

O ministro das Relações Exteriores da Tunísia, Othman Jerandi, pediu nesta quinta-feira esforços árabes intensificados para levar a causa palestina à vanguarda da opinião pública internacional. Jerandi fez as declarações em uma reunião de emergência do Comitê Ministerial Árabe, encarregado da ação internacional contra as políticas e medidas ilegais israelenses em Jerusalém, realizada na capital da Jordânia, Amã.

O comitê, presidido pela Jordânia, também inclui Tunísia, Argélia, Arábia Saudita, Palestina, Catar, Egito, Marrocos e Emirados Árabes Unidos. O secretário-geral da Liga Árabe também faz parte do comitê. As políticas condenáveis ​​das forças de ocupação (israelenses) visam desviar a atenção da justa causa palestina e transformá-la em um conflito religioso“, disse Jerandi na reunião.

Ele sublinhou a responsabilidade dos Estados árabes de transmitir uma voz unificada contra essas políticas provocativas que teriam consequências terríveis para a paz na região árabe e no mundo. As violações cometidas na mesquita de Al-Aqsa só geram mais violência, hostilidade e ódio entre as religiões“, acrescentou o ministro tunisiano. 

A tensão entre Israel e os palestinos aumentou na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental nas últimas semanas, quando o festival judaico da Páscoa sobrepôs-se ao mês sagrado muçulmano do Ramadã. Em 15 de abril, eclodiram confrontos entre palestinos e forças de segurança israelenses no complexo da Mesquita Al-Aqsa, em Jerusalém, deixando mais de 160 pessoas feridas. O complexo é um local sagrado para muçulmanos e judeus que o chamam de Monte do Templo.

Fonte: Textos originalmente publicados em inglês no site da Xinhua.
Link direto: https://english.news.cn/africa/20220422/a1a9396f74764da1a096dcc8015dedc8/c.html

Tradução e adaptação – Alessandra Scangarelli Brites – Intertelas

Deixe seu comentário

por Anders Noren

Acima ↑

%d