Argentina denuncia participação dos EUA na perseguição à Cristina Kirchner

O ministro das Relações Exteriores da Argentina, Santiago Cafiero. Crédito: reprodução da Prensa Latina.

O ministro das Relações Exteriores da Argentina, Santiago Cafiero, denunciou hoje que a perseguição judicial contra a vice-presidente Cristina Kirchner é promovida por países como os Estados Unidos. Por meio de seu perfil na rede social Twitter, o chanceler publicou declarações do senador norte-americano Ted Cruz e de Eduardo Bolsonaro, político e filho do presidente brasileiro (Jair Borlsonaro), que atacou a ex-chefe de Estado.

Um mais ignorante que o outro, mas há algo que eles destacam: a perseguição judicial de Fernández é motivada por interesses ideológicos que nascem fora da Argentina. Vamos cuidar da nossa democracia. Todos com Cristina”, escreveu Cafiero. Em publicação recente, Cruz acusou a vice-presidente de “convulsionar as instituições argentinas e minar os interesses dos EUA neste país e na região“. Além disso, enviou uma carta ao secretário de Estado norte-americano, Anthony Blinken, solicitando a aplicação de sanções contra Kirchner e sua família por suposta corrupção.

Por sua vez, o filho de Bolsonaro compartilhou as declarações de Cruz no Twitter e expressou seu apoio. Jornais argentinos, como o Page 12, qualificaram os pronunciamentos de ambos os políticos como “interferência aberta nos assuntos internos da Argentina, a ponto de transgredir o princípio de não-intervenção que rege o direito internacional”. Membros de partidos, sindicatos e organizações sociais de várias regiões desta nação continuam mobilizando-se para apoiar Kirchner diante da perseguição política, midiática e judicial contra ela.

Durante a última audiência de acusação da Causa Rodoviária, o promotor Diego Luciani pediu a condenação de 12 anos de prisão a também chefe do Senado e sua inabilitação perpétua para o exercício de cargos públicos por supostas irregularidades na adjudicação de 51 obras na província de Santa Cruz de 2003 a 2015. Em aparição na televisão, a ex-presidente demonstrou as ligações ilícitas entre empresários, funcionários, juízes, promotores e o ex-presidente Mauricio Macri; e denunciou a falta de provas contra ela, bem como as violações cometidas durante o julgamento.

Desde que os pronunciamentos de Luciani tornaram-se conhecidos, pessoas desta e de outras cidades continuam vindo à casa de Kirchner, no bairro da Recoleta, para expressar seu apoio e acompanhá-la. Da mesma forma, são realizadas manifestações em cidades como Córdoba, La Plata, Corrientes e Rosário para denunciar as tentativas de banir a ex-chefe de Estado. Na véspera, o Partido Justicialista convocou “todos os peronistas de nossa pátria, em todas as unidades básicas e sedes, a permanecerem unidos, organizados e mobilizados, em alerta permanente, para defender a verdadeira democracia e os direitos humanos”.

Fonte: Texto originalmente publicado em espanhol no site da Prensa Latina.
Link direto: https://www.prensa-latina.cu/2022/08/26/argentina-denuncia-papel-de-eeuu-en-persecucion-a-cristina-fernandez

Tradução – Alessandra Scangarelli Brites – Intertelas

Deixe seu comentário

por Anders Noren

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: