Stalingrado, a Cidade de Aço

Soldados soviéticos fazem alemães recuarem e avançam sobre a cidade de Stalingrado. Crédito: história ilustrada.

Stalingrado, uma cidade de cerca de 600.000 habitantes as margens do rio Volga (tem 3688 km de extensão, nasce no planalto de Valdai e deságua no Mar Cáspio), que em 1942 era símbolo da industrialização soviética e dos planos quinquenais. Tornou-se para os nazistas a porta de entrada do Cáucaso, região rica em gás, minério e petróleo, materiais essenciais para a máquina de guerra nazista. O domínio do Cáucaso também permitiria aos nazistas cercarem Moscou e ligarem-se à Turquia, intimando a mesma à se juntar as tropas do Eixo na luta contra a URSS.  

A Batalha de Stalingrado desenrolou-se de 17 de julho de 1942 a 2 de fevereiro de 1943, mobilizou mais de 2.000.000 de homens e fazia parte da “Operação Azul”, nome dado pelo Comando nazista às operações na região. A referida Batalha teve início na Curva do Don – Rio que nasce perto da cidade de Tula e deságua no Mar de Azov, tem 1950 km – em direção à Stalingrado, a ponta de lança do ataque nazista era o Grupo de Exércitos Sul (que se desdobrou em Grupo de Exércitos A e B), que vinham de uma campanha vitoriosa na Ucrânia. Eles reuniam os Exércitos 6o e 17o e o 1o e 4o Panzer.

Operação Azul: Avanço alemão de 7 de maio a 18 de novembro de 1942. Crédito: Gdr-wikipedia.

Os soviéticos combateram as tropas fascistas em um primeiro momento na cidade de Ordjonikidz (Situada na base das cordilheiras do Cáucaso), barrando a sua tentativa de avançar mais à leste, com isso o comando nazista deslocou o que tinha de melhor de seus Exércitos para a cidade de Stalingrado, onde as defesas soviéticas eram incipientes. O Exército Vermelho não possuía aviões suficientes e na região de Stalingrado o domínio dos céus era dos nazistas. Na primeira quinzena de agosto, o 6o Exército nazista forçou a passagem em direção ao sul de Stalingrado, sendo apoiado pelo Exército Panzer do general Hoth. Por volta de 14 de agosto, quase todo o miolo da Curva do Don estava nas mãos dos fascistas, restavam poucas cabeças de pontes soviéticas resistindo.

Uma pausa para fumar entre os combatentes soviéticos defendendo Ordzhonikidze na Geórgia soviética. Crédito: Tass/ Pintarest Paolo Marziolli

Na segunda quinzena, os combates chegaram ao clímax na região divisória entre os rios Don e Volga. Os nazistas conseguiram atravessar o Volga mais ao norte formando um saliente de cerca de 8 quilômetros, com o apoio de 600 aviões. Sem pânico, os soviéticos recuaram para evitar o cerco e estabilizaram a Frente ao norte, depois de 40.000 mortes civis, conforme descreve Alexander Werth, no primeiro volume de seu trabalho “A Rússia na Guerra”, publicado em 1966.

Em setembro a situação piorou drasticamente, com o isolamento do 62o Exército Soviético, que depois de reforçado, foi elevado a categoria de 8o Exército de Guardas e recebeu um novo comandante, o coronel Vasili I. Tchuikov (Marechal da URSS duas vezes condecorado como herói). O mesmo encontrou as defesas soviéticas em colapso, já com os combates penetrando o perímetro urbano e com as tropas fascistas controlando todos os acessos à cidade. Dessa maneira os fascistas passaram a controlar 90% da cidade no início de novembro de 1943.

No dia 19 de novembro a URSS desencadeou a “Operação Urano”, que visava retomar a cidade de Stalingrado e cercar as forças fascistas pelo sul e norte a partir das estepes, para isso contava com um contingente que foi formado e transportado para Frente de batalha sem que os invasores percebessem, no mais absoluto sigilo.

No dia 24 as forças soviéticas que avançavam pelo norte e sul formaram uma pinça e logo envolveram as tropas nazistas. O bolsão foi formado na cidade de Kalach a 50 km de Stalingrado, mais de 300.000 fascistas foram cercados. Todo o 6o Exército Alemão (ele era o dobro dos demais Exércitos alemães), o maior do mundo até aquele momento e em sua companhia o também poderoso 4o Exército Panzer foram imobilizados. Os soviéticos ainda estabeleceram outras faixas de tropas para evitar que alguém fugisse do cerco ou que alguma força pudesse romper o mesmo.

Stalingrado 1943 Crédito: Superinteressante.

A tentativa de romper o cerco soviético foi realizada algumas vezes, contudo, não se mostrou eficiente, as forças soviéticas eram mais vigorosas e possuíam melhores equipamentos contra o frio. No dia 16 de dezembro de 1942 os soviéticos desencadearam a “Operação Saturno”, que visava dividir e esmagar o 6o Exército alemão que estava imóvel dentro do bolsão, com êxito os soviéticos empurraram as forças nazistas em direção ao rio Don, onde perderam a mobilidade. Com a retomada dos céus sobre Stalingrado, a Força Aérea Vermelha e a artilharia do Exército Vermelho neutralizaram boa parte do material rodante dos alemães que já estavam ficando sem combustível, impedindo assim fugas e contra-ataques.

A resistência nazista durou pouco, em 2 de fevereiro de 1943 o 6o Exército rendeu-se com seus 22 generais e quase 100.000 homens restantes, que estavam famintos, doentes e desolados. A empáfia nazista no Cáucaso chegou ao fim com a icônica imagem do marechal-de-campo Von Paulus humilhado diante dos soviéticos. A Batalha de Stalingrado foi uma demonstração ao mundo de que a guerra estava mudando de condutor.

Nos 200 dias de batalha em Stalingrado a resistência soviética correu o mundo, a referida cidade ficou conhecida mundialmente como o ponto inicial da vitória soviética, motivou outros povos e serviu de exemplo para a luta contra o fascismo. Ao total o Eixo teve cerca de 850.000 baixas e os soviéticos 1.130.000, mais a população de Stalingrado com cerca 750.000 baixas entre seus habitantes. Como na Batalha de Moscou em 1941, os grandes trunfos soviéticos foram os T-34 e as tropas asiáticas, sendo elas empregadas de forma rápida e silenciosa.

“O Exército Vermelho continuou a alocar o máximo possível de recursos para o eventual lançamento da planejada Operação Saturno, que visava isolar o Grupo de Exércitos A do resto do exército alemão”. Crédito: http://19tesqaudron.weebly.com

Tanque T34. Crédito: Russians Tanks

As Operações Urano e Saturno dizimaram 5 Exércitos alemães, além de 32 divisões e 3 brigadas, derrotaram tropas italianas, romenas, espanholas, húngaras e várias outras nacionalidades que ocupadas pelos nazistas, cederam contingentes contra à URSS. A Batalha de Stalingrado foi um marco para a história no que tange a resistência do povo soviético e a habilidade de seus defensores.

Fonte: texto originalmente publicado no site do Ciências Revolucionárias.
Link direto: https://www.cienciasrevolucionarias.info/single-post/2018/01/15/Stalingrado-a-Cidade-do-A%C3%A7o

“Stalingrado” (2013), filme russo dirigido por Fiodor Bondartchuk 

“Stalingrado” (1993), filme alemão, dirigido por Joseph Vilsmaier

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: