Novo acordo de coprodução cinematográfica entre Brasil e Itália

No dia 14 de novembro de 2018, foi promulgado o novo acordo de coprodução cinematográfica entre o Brasil e a Itália. Até então, o texto que estabelecia as regras para a realização de um filme entre produtores dos dois países era aquele de 1970, o qual obrigava o produtor minoritário a deter ao menos 30% das responsabilidades financeiras e criativas da obra. O novo acordo modernizou a proporção entre os participantes da realização de um filme, mas isso não foi suficiente para torná-lo plenamente compatível com a realidade do século XXI.

Pelo novo documento, o coprodutor majoritário tem um teto de até 80% e o minoritário agora pode deter somente 20% da obra para que ela seja considerada nacional em seu país. Em alguns casos excepcionais, essa porcentagem pode ser ainda menor, com apenas 10% de participação. Em tese, isso significa que a parceria entre brasileiros e italianos tornou-se mais viável. Ou seja, com menos aportes financeiros e uma equipe técnica e criativa mais enxuta, o produtor de um dos dois países poderá entrar oficialmente na aventura da coprodução.

O filme “Estrada 47”, dirigido por Vicente Ferraz, sobre a participação brasileira na Segunda Guerra Mundial, em combates na Itália, foi uma coprodução com os italianos que teve sucesso de crítica, sendo exibida em vários festivais do Brasil e do mundo.

Para os brasileiros, é especialmente importante que o filme possa ser considerado italiano e europeu sem que o produtor italiano tenha que arcar com uma quantidade muito grande de dinheiro. A abertura dessa porta europeia poderá resultar em uma entrada mais fluida no mercado exibidor italiano e europeu, e, até mesmo, em uma eventual seleção do longa-metragem no Festival de Veneza – um dos três mais importantes do mundo e que prioriza filmes italianos nas suas mostras competitivas e paralelas historicamente.

A grande ausência, contudo, na modernização do acordo fica clara já no primeiro artigo do texto. Ao contrário dos acordos que recentemente foram ratificados pelo Brasil – buscando atualizá-los para as necessidades políticas, culturais e tecnológicas do campo cinematográfico nos anos 2000 –, o texto não inclui as obras audiovisuais e mantém apenas as cinematográficas abrigadas na legislação.

Revista Recine aborda a influência do neorrealismo italiano na produção cinematográfica brasileira, inspirando grandes nomes do cinema nacional como Glauber Rocha. A aproximação histórica e cultural entre os dois países serve de fonte para criação de vários filmes. Clique na foto para ler esta edição. Crédito: Issuu.

Em outras palavras, somente filmes de longa-metragem são passíveis de serem coproduzidos por brasileiros e italianos, e eles devem ser destinados primeiro às salas de cinema e, em um segundo momento, para a exploração em “videocassete, videodisco, DVD, na televisão ou qualquer outra forma de distribuição”.

Ou seja, obras audiovisuais que estão sendo produzidas, cada vez mais, para a televisão ou para as plataformas de vídeo sob demanda (VOD) estão totalmente excluídas do novo acordo. Os novos acordos que foram ratificados recentemente com outros países, como o do Canadá e o da França (que ainda aguarda promulgação oficial), já preveem essa modernização e ampliam o conceito de obra audiovisual e o seu consumo.

“Estômago” (2008), dirigido por Marcos Jorge é outra parceria entre Brasil e Itália bem-sucedida. Crédito: ExperimenteSP.

Essa ausência encontrada no novo texto Brasil-Itália pode ser explicada por duas hipóteses.

A primeira delas é com relação à tramitação no Brasil. Após a redação do novo texto e a assinatura das autoridades competentes, o documento precisa tramitar no Congresso Nacional brasileiro para, só depois disso, ser promulgado pelo presidente da República. Na prática, isso leva muitos anos para acontecer, o que acaba desatualizando o texto inicial e chegando ultrapassado às necessidades do setor no momento da sua aprovação final. O novo documento foi assinado pelo Brasil e pela Itália no dia 23 de outubro de 2008, e só foi finalmente promulgado em 14 de novembro de 2018, dez anos depois. E dez anos para o setor cinematográfico e audiovisual é um período tão longo que a tentativa de “modernização” do acordo chegou tarde demais. Explicando melhor, o novo acordo já renasce obsoleto e sem atender às novas demandas tecnológicas de produção e consumo.

A segunda hipótese é que, não raro, as autoridades cinematográficas europeias apresentam forte resistência para incluir o audiovisual nos acordos de coprodução. Em parte porque isso não é praxe na renovação dos documentos, mas em muitos casos é porque eles temem ampliar demasiadamente o mercado de produção audiovisual para os estrangeiros. Além disso, a cota de tela para a televisão e o VOD é regida por uma diretiva europeia que eles devem respeitar. Para alterar documentos oficiais com países de fora do bloco, é preciso consultar as autoridades locais competentes e isso demanda uma burocracia muito maior.

O texto do novo acordo já está disponível neste link: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2018/decreto/D9563.htm

Entrevista com Vicente Ferraz, diretor de “A Estrada 47” (2013). O filme anteriormente tinha o título “A Montanha”

“Estômago” (2008), dirigido por Marcos Jorge

“Terra Vermelha” (2008), dirigido por Marco Bechis

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: