Governo Bolsonaro quer trair a memória dos Pracinhas

Comemoração pelo 2° aniversário do rompimento de relações do Brasil com o Eixo, 1944. Crédito: Arquivo Nacional/CPDOC – FGV.

Com o advento da Segunda Guerra Mundial, o Brasil passou a ser cobiçado pelos dois blocos, tanto o Eixo, quanto os Aliados perceberam que o tamanho e a localização geográfica do país eram de suma importância para o desenrolar da Guerra. Sendo o ponto do continente Americano mais próximo da Europa e da África e possuidor de uma infinidade de recursos naturais, o Brasil que se estende para quase todo o Atlântico Sul, relacionou-se com os dois blocos de 1939 a 1941, tirando proveitos importantes para o projeto de desenvolvimento autônomo de Getúlio Vargas, graças a sua neutralidade. 

Com o ataque japonês à Pearl Harbor, os estadunidenses entraram na Guerra ao lado da Inglaterra contra o Eixo. A solidariedade e não a submissão levou o Brasil a congelar suas relações com os países do Eixo em virtude do ataque aos Estados Unidos. Nesse momento de guerra mundial, onde os perigos e as incertezas manifestaram-se com mais intensidade, levou Getúlio Vargas a aceitar a presença de tropas aliadas no Saliente Nordestino sob o auspicio da cooperação e proteção. 

Mesmo contra a vontade dos militares brasileiros, Vargas autorizou a presença de tropas estrangeiras em terras brasileiras, de onde fora constituído um dos momentos mais importantes da Guerra, a partir do Nordeste brasileiro as forças Aliadas montaram o Trampolim para a Vitória, nome dado às operações de deslocamento de tropas aliadas para o Norte da África e depois para o Sul da Itália. A presença de militares anglo-estadunidenses em território brasileiro ajudou na edificação de uma parceria Estados Unidos-Brasil que rendeu o reaparelhamento das Forças Armadas Brasileiras e a industrialização do país. Sem dizer no compromisso do Estado brasileiro na luta contra o fascismo. Isto é, a presença de militares estrangeiros no Brasil estava restrita a uma conjuntura transitória e com um fim claro. 

Encenação de estudantes contra o Eixo, 1942. S.l. Crédito: CPDOC/ CDA Vargas.

Com o avanço das forças Aliadas na Europa e o enfraquecimento do Eixo, veio à tona na sociedade brasileira a necessidade da presença dos anglo-estadunidenses no Nordeste. Com o Desembarque da Normandia e a entrada dos soviéticos na Alemanha, a certeza de que os estrangeiros deveriam partir logo tornou-se uma unanimidade entre os brasileiros. Até mesmo os vizinhos Argentina e Chile começaram a cobrar das autoridades brasileiras sobre as bases Aliadas. 

Devido a pressão dos países vizinhos e da população, o Ministro das Relações Exteriores Oswaldo Aranha foi a público em julho de 1944 comunicar oficialmente que os estrangeiros partiriam imediatamente após o término da guerra na Europa, disse ele: 

“Assim como o Brasil considera sua cooperação para os fins de guerra e incluso para paz como uma necessidade fundamental de sua soberania e de seus interesses, considera também que a hipótese de uma ocupação ou cessão de bases de qualquer natureza a qualquer povo, é uma insensatez que só pode conceber quem não conhece a história e os sentimentos de nosso país”.

Ao final da Guerra em maio de 1945, os militares aliados que ocupavam as bases no Nordeste foram embora, deixando para trás uma história de cooperação e camaradagem com os brasileiros na luta contra o fascismo. Ação essa que se estendeu na defesa do oceano Atlântico e nos campos italianos, onde brasileiros lutaram ombreados aos combatentes Aliados. 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Passados 74 anos o novo presidente brasileiro Jair M. Bolsonaro negocia uma subordinação vergonhosa com os estadunidenses, edificando uma diplomacia serviu e subordinada aos ditames de Washington, colocando-se como mão de obra terceirizada para intimidar irmãos latino-americanos, os quais o Brasil tem uma relação de amizade de séculos. Para piorar, negocia com os militares estadunidenses ceder parte do território brasileiro para a instalação de bases estrangeiras, ferindo a soberania nacional e criando desconforto para os países vizinhos. Na contramão da soberania e do desenvolvimento autônomo forjado por Vargas durante a Segunda Guerra Mundial, o presidente Bolsonaro tenta fazer do Brasil uma república de bananas onde a ótica é ser servil e dócil com o imperialismo ianque. 

A presença de bases militares estadunidenses em solo brasileiro não só fere a soberania nacional e a dignidade popular, mas também, ultraja a memória de todos os combatentes brasileiros que lutaram em terra, céu e mar na Segunda Guerra Mundial para não permitir que o país fosse um anão entre as nações. Estamos percebendo que o presidente Bolsonaro não “conhece história e nem os sentimentos do nosso país”, como afirmou Oswaldo Aranha em 1944.

Fonte: texto originalmente publicado no site do Conversa Afiada
Link direto: https://www.conversaafiada.com.br/brasil/pesquisador-da-uerj-bolsonaro-joga-a-feb-no-lixo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: