China e Rio de Janeiro comemoram dia da amizade em evento online promovido pelo Consulado Geral da China

Cônsul Geral da China Li Yang, autoridades do governo estadual do Rio e representantes da comunidade chinesa e sociedade do Rio celebram o dia da amizade China-Rio de Janeiro. Crédito: divulgação.

No dia de hoje, 8 de agosto, a população carioca e fluminense celebra o Dia China-Rio de Janeiro, instituído no ano de 2018, pela lei N° 5.645, de autoria do deputado estadual do RJ Gustavo Tutuca. Para celebrar a data, o Consulado Geral da China no Rio de Janeiro promoveu uma cerimônia online, nesta sexta-feira, dia 7 de agosto, que contou com a presença de  representantes da comunidade e instituições chinesas residentes no Rio, além de autoridades do governo e da sociedade carioca e fluminense.

Em seu discurso de abertura, o cônsul-geral da China no Rio Li Yang salientou: “Apesar da enorme distância entre China e Brasil, a amizade entre os dois povos vem de longa data. Há 200 anos atrás, 300 chineses desembarcaram no Rio de Janeiro para cultivar o chá. Assim, começa a ser escrita a história de amizade entre chineses e brasileiros. Desde o estabelecimento das relações diplomáticas há 46 anos, a cooperação bilateral tem sido harmoniosa, com frequentes visitas de representantes do alto escalão. E a cada ano que passa o intercâmbio cultural e comercial aprofunda-se. O pilar do relacionamento entre os países é a proximidade dos povos. No ano de 2018, a Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou leis que inseriram o Ano Novo Chinês e o dia da amizade China-RJ no calendário de comemorações do estado, uma verdadeira demonstração de amizade do povo local com a China“.

A cerimônia online contou com a presença de importantes representantes e autoridades da comunidade e instituições chinesas do Rio de Janeiro, e autoridade e representantes da sociedade brasileira. Crédito: divulgação.
O Cônsul-Geral da China no Rio de Janeiro Li Yang. Crédito: Consulado Geral da China no Rio de janeiro.

O diplomata ainda salientou a parceria para o combate ao coronavírus entre os dois países: “A China e o Brasil têm-se ajudado mutuamente desde o início da pandemia. O governo chinês doou ao governo brasileiro material de combate ao novo coronavírus. E os governos locais da China, seja no nível estadual, ou municipal também realizaram doações aos governos locais do Brasil. Prestamos também auxílio na compra de equipamentos médico-hospitalar. E a comunidade chinesa do Rio de Janeiro também se mobilizou para realizar a doação de cestas básicas e de material de proteção como máscaras às comunidades carentes. O próximo passo será aprimorar a cooperação Brasil-China no combate ao Covid-19 em todos os níveis, inclusive estadual. Nesta semana, a comunidade chinesa doou 20 mil máscaras cirúrgicas para a Alerj. Vamos seguir trabalhando juntos para promover a parceria estratégica global Brasil e China, em uma cooperação amistosa entre chineses e cariocas“.

O autor da lei, deputado estadual Gustavo Tutuca, na sua fala, agradeceu as doações realizadas pela comunidade chinesa no Rio e autoridades da China. Ele ainda enfatizou que: “A China tem tido um papel protagonista no combate ao coronavírus e também terá na retomada econômica mundial. As doações e parceria dos chineses comprovam o laço de amizade que celebramos na data de hoje“.

O deputado estadual do MDB-RJ Gustavo Tutuca, autor da lei 5.645 que cria o dia China-Rio de Janeiro participou do evento online. Crédito: divulgação.
Em 2018, o deputado Gustavo entregou, no dia 8 de agosto, na Alerj, o título de benemérito do Estado do Rio de Janeiro ao cônsul-geral da China, Li Yang. Crédito: site do deputado Gustavo Tutuca.

O representante da comunidade chinesa no Rio, vice-presidente da Federação dos Chineses Ultramarinos da Província de Zhejiang  e presidente de honra da Câmara de Intercâmbio Cultural de Brasil e China Yin Xiaomin disse: “Os chineses que vivem no Rio há anos vêm contribuindo com o seu trabalho para o desenvolvimento econômico e social do estado e do Brasil. Tanto a China, quanto o Brasil foram severamente atingidos pela pandemia, porém grupos da sociedade e do governo de ambos os países prestaram auxílio neste momento difícil. Especificamente, nós da comunidade chinesa e seus representantes estamos participando ativamente no combate ao Covid-19 nas comunidades carentes do Rio, com a doação de mais de 10 mil cestas básicas e mais de um milhão de máscaras. Juntos vamos superar todas as dificuldades“.

Ele ainda lembrou a histórica parceria entre o Rio de Janeiro e o Brasil com a China. “Nossa amizade é sólida e nem as mudanças no cenário internacional afetarão este laço que construímos ao longo das últimas décadas. A personalidade do povo brasileiro cria um ambiente propício para a boa convivência com os chineses que aqui habitam. Sentimos que fazemos parte desta importante comunidade. O Brasil é nossa segunda terra natal“.

O representante da comunidade chinesa no Rio, vice-presidente da Federação dos Chineses Ultramarinos da província de Zhejiang e presidente de honra da Câmara de Intercâmbio Cultural de Brasil e China Yin Xiaomin. Crédito: divulgação.

O chefe da representação do Itamaraty no Rio de Janeiro embaixador Eduardo Prisco Paraíso Ramos lembrou um pouco da história das relações Rio e China que trouxe para a capital dos cariocas um de seus principais pontos turísticos: a vista chinesa. “A amizade de Brasil e China vem de longa data com a chegada dos imigrantes logo depois da vinda da família real portuguesa para o Rio. Os imigrantes chineses começaram a plantação de chá nas encostas do maciço da Tijuca. Ano passado, tivemos uma cerimônia no Jardim Botânico para inaugurar a pedra fundamental e uma planta de chá remanescente deste esforço. A comunidade chinesa continuou a habitar aquela região, o que levou ao prefeito Francisco Pereira Passo (1836-1913) a construir um pavilhão em estilo chinês, onde a vista é muito bonita da cidade e denominá-la vista chinesa“.

O chefe da representação do Itamaraty no Rio de Janeiro, embaixador Eduardo Prisco Paraíso Ramos. Crédito: divulgação.

Segundo o ex-secretário estadual de educação e atual diretor-geral da Assembleia Legislativa do Rio Wagner Victer, “a parceria com a China é importante não apenas pelo crescimento econômico chinês, mas pelo conjunto de investimentos que estamos recebendo como ocorreu com a State Grid Corporation of China, que atua no setor de transmissão de energia elétrica, na área de produção de petróleo, a parceria com a Projemar, empresa brasileira de engenharia naval e offshor, no projeto do aeroporto internacional e agora na cooperação com a Covid-19“.

Victer ainda salientou a cooperação com o Consulado da China na criação de escolas chinesas no Rio. “Lembro ainda dos esforços conjuntos que eu, ainda como secretário de educação, minha equipe e o consulado tivemos para retirar do papel o projeto da criação de escola trilíngue, que hoje se encontra em um belo casarão no bairro de Botafogo, cuja diretora será a Yuan Aiping, do Centro Cultural Brasil-China Yuan Aiping. Lembro ainda da Escola Estadual Brasil e China que fica em Niterói e teve o melhor resultado no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica em relação ao ensino da matemática e da língua chinesa. Muitos alunos estão indo fazer universidade na China. Trata-se de uma escola pública que fica junto a uma comunidade de Niterói, o que comprova o sucesso absoluto desta inciativa. Assim, neste processo de construção de pontes culturais, precisamos continuar a desenvolver estas parcerias com os chineses“.

O ex-secretário estadual de Educação e atual diretor-geral da Assembleia Legislativa do Rio Wagner Victer. Crédito: divulgação.

Aproveitando a fala do diretor-geral da Assembleia Legislativa do Rio, o cônsul geral Li yang acrescentou que a razão da criação de tal escola é cultivar uma parceria desde o início. Dois objetivos almejamos atingir com este projeto: promover um melhor ambiente para mais investimentos chineses no Rio e criar novos talentos locais relacionados à China e à matemática. Acho que não existe dúvida entre os brasileiros sobre o bom desempenho da metemática chinesa. O século XXI será o século da inteligência artificial e a base dela é a matemática“.

O diplomata ainda acrescentou que “para ser competitivo no cenáro internacional, um país deve ter um grupo sólido de bons matemáticos. Nestes últimos 20 anos, a economica chinesa desenvolveu-se rapidamente e a economia digital foi um setor que cresceu muito. Isso se deve a criação de um grupo substancial de talentos na área da matemática. A escola de Niterói tem um ótimo desempenho nesta disciplina, em razão do método didático implementado que foi antes testado no ano 2019, na escola Céu da Barra. Então, temos muita confiança que em duas décadas vamos conseguir ter um grupo de matemáticos bons aqui no Rio. Outra questão importante é a formação de um grupo de poliglotas. Fato de extrema necessidade para a internacionalização e promoção do desenvolvimento local“.

Deixe seu comentário

Tema: Baskerville 2 por Anders Noren

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: