Organização russa impulsiona a cooperação no âmbito da cultura e da diplomacia pública entre os países do grupo BRICS

Crédito: BRICS: Mundo das Tradições.

Neste ano de 2020, a Rússia é responsável pela presidência do BRICS e, em razão da pandemia Covid-19, diversas iniciativas, reuniões e grupos de trabalhos que visam debater e promover colaborações entre os cinco países estão sendo realizadas pela internet. O próximo evento importante será o Fórum Civil do BRICS, que ocorrerá entre os dias 23 a 25 de setembro, e oferecerá a sessão: “Diplomacia cultural: a política do gênero atua no caminho de unir os povos do BRICS”.

Irão participar deste evento representantes do Ministério das Relações Exteriores e do Ministério da Cultura da Federação Russa, além de outras figuras proeminentes da cultura e da arte. Por esta razão, no intuito de trazer sugestões para este fórum e para os chefes de Estado das nações do BRICS na próxima cúpula do grupo, a organização não-governamental russa BRICS: Mundo das Tradições, liderada pela presidente Liudmila Sekatcheva, promoveu nos dias 19 e 27 de agosto, mesas redondas online do Grupo de Trabalho em “Cooperação Cultural Internacional para o Fortalecimento da Unidade do BRICS”. Estiveram presentes nesta iniciativa participantes russos e de outros países, com o intuito de articular estratégias de cooperação nesta área entre Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.

Os países do BRICS reconhecem o intercâmbio e a cooperação nas áreas de cultura, arte, esporte, juventude e turismo como prioridades para a interação entre os países do grupo. Representantes de organizações e instituições públicas, fundações e empresas de orientação social destas nações que atuam no campo da cultura e da educação, apresentaram ideias e recomendações destinadas a fortalecer a cooperação cultural entre os países do BRICS.
No âmbito do encontro, os participantes do Grupo de Trabalho apresentaram sugestões nas seguintes áreas: “institucionalização dos laços culturais”, “envolvimento dos jovens na cultura dos países BRICS”, “desenvolvimento do intercâmbio cultural através da literatura e da arte”, proteção do patrimônio cultural como base da cooperação internacional” e “turismo, projetos e eventos na via cultural”.

Crédito: Евгений Биятов / Фотохост-агентство brics-russia2020.ru

O debate contou com a presença de figuras conhecidas da cultura e da arte que dirigem os principais museus e bibliotecas da Rússia, a liderança do Centro de Informações da Organização das Nações Unidas (ONU) em Moscou, representantes da comunidade científica e de especialistas, organizações internacionais ativas no campo da cultura e estudantes das principais universidades. Os palestrantes compartilharam suas experiências e sugeriram iniciativas valiosas que eles acreditam que deveriam ser traduzidas na trilha cultural do BRICS para desenvolver uma maior compreensão cultural, unir as cinco organizações não governamentais e compartilhar conhecimento para fortalecer a unidade do BRICS.

A reunião foi moderada e co-presidida por Liudmila Sekatcheva. Ela, ao abrir o debate, dirigiu-se aos participantes com as seguintes palavras: “Para nós, a Mesa Redonda de hoje é um símbolo do nosso desejo infinito de harmonia, confiança e interação. Somos a diplomacia pública, porta-voz da sociedade civil, e as atividades das organizações não governamentais do BRICS são uma plataforma prática para implementar as iniciativas de cada cidadão e de todo o bloco civil do BRICS“.

Saudando os participantes, Victoria Panova, diretora científica do Conselho de Especialistas para preparar e assegurar a presidência do BRICS da Federação Russa, diretora administrativa do Comitê Nacional de Pesquisa do BRICS, vice-reitora para Relações Internacionais da Universidade Federal do Extremo Oriente (FEFU, em russo), presidente da Primorye regional filial da União Feminina Russa, observou que: “o círculo de amigos e parceiros da Rússia com os países do BRICS está em constante expansão. O principal é sermos ouvidos, vermos que sabemos do que falamos, sabemos como mudar o mundo que nos rodeia, torná-lo mais belo, mais humano, que esta seja da nossa Mesa Redonda. Vamos trazer beleza ao mundo”.

Victoria Panova. Crédito: BRICS: Mundo das Tradições.

Por sua vez, Alena Peryshkina, co-presidente do Fórum Civil BRICS, co-presidente de ONGs russas sobre assuntos do BRICS e do G20 e diretora da AIDS Infoshare Foundation, enfatizou que “cooperação no campo da cultura, esportes, arte, juventude , e o turismo há muito tempo é uma prioridade do BRICS. Ao desenvolver e fortalecer os laços culturais entre os povos, construímos uma linguagem de comunicação baseada na compreensão, respeito e apoio mútuos“.
Liudmila Sekatcheva apresentou aos participantes o projeto de recomendações, enfocando a ideia de criar uma União de Organizações Não Governamentais do BRICS, especificando que “a associação será transformada em uma plataforma única e permanente no campo desta aliança. Uma plataforma prática para o estabelecimento de laços horizontais entre as instituições culturais dos cinco países com a sua representação na Rússia – o iniciador desta recomendação“.

A co-presidente internacional do Grupo de Trabalho da África do Sul, Jane Mufamadi, diretora executiva do Complexo Freedom Park Memorial Museum em Pretória, com foco na cultura como fator de soft power dos países do BRICS, destacou “a importância de intercâmbio cultural e educacional, a criação de programas para o desenvolvimento da juventude, para profissionais e liderança, o empoderamento das mulheres, bem como o papel dos museus e instituições culturais, incluindo um Memorial em homenagem àqueles que morreram pela liberdade da África do Sul“.

Crédito: BRICS: Mundo das Tradições.

Elena Marinina destacou a importância de trabalhar para desenvolver a cooperação cultural internacional e alcançar o entendimento mútuo em seu discurso. Segundo ela, “a nossa missão é criar uma plataforma permanente de diálogo entre dirigentes das indústrias criativas e instituições de fomento, representantes de setores empresariais, públicos e sem fins lucrativos. Este ano, a ‘semana criativa russa’ será uma plataforma global“.

Durante a discussão “Juventude na esfera cultural dos BRICS”, Marina Abramova, diretora do Orçamento do Estado Federal Roskultcenter, apoiou a ideia de sua colega. “Não há fronteiras para as indústrias criativas. Hoje, graças às tecnologias modernas, você pode trabalhar em uma equipe internacional, estando em qualquer lugar do mundo. Em termos de participação das indústrias criativas no PIB, a Rússia ainda está atrás de vários países. No entanto, aproximamo-nos lenta, mas seguramente de compreender o correto desenvolvimento da economia criativa e de tomar as medidas cabíveis a nível legislativo”.

Figura conhecida no campo da arte, a diretora do Museu de Arte de Moscou Olga Sviblova, por sua vez, destacou que “no âmbito do BRICS, é necessário criar mini-associações que sejam versadas em direitos autorais e assessoria“. “É importante não só discutir, mas também fazer juntos“, afirma Vadim Duda, diretor da Biblioteca Estatal Russa. Para ele, “é preciso unir as coleções das bibliotecas dos países do BRICS“. Vadim Duda também apoiou a proposta de Olga Sviblova de sincronizar as leis dos países do BRICS, como em marco regulatório que permitirá o uso de conteúdo na web.

Crédito: BRICS: Mundo das Tradições.

Pavel Kuzmin, diretor interino da biblioteca estatal russa de literatura estrangeira em homenagem a M. I. Rudomino, enfatizou que “o problema é que tentamos entender com base nos fundamentos básicos das culturas e perdemos as tendências modernas. A biblioteca de documentos-chave do BRICS deve incluir não só obras clássicas, mas também obras mais jovens e modernas que afetem significativamente o potencial cultural de cada país“. Em suas recomendações, o palestrante brasileiro, Leonardo Valente, diretor do Instituto de Relações Internacionais e Defesa da Universidade Federal do Rio de Janeiro, membro da Universidade em Rede do BRICS, chamou a atenção para o fato de que “a literatura é uma das o meio artístico mais importante e eficaz para conhecer a cultura, as pessoas e o seu país. Alcança a elite do país, formadores de opinião pública, e tem a capacidade de influenciar a política e outras artes”.

Apoiando seus colegas, Leonardo Valente propôs um projeto de tradução de obras literárias para que fossem publicadas em todos os países do BRICS. Entre as propostas brasileiras estão a criação da Feira Literária BRICS, realizada anualmente em um dos países do BRICS, e o Prêmio BRICS LiterárioVladimir Kuznetsov, diretor do Centro de Informações da ONU em Moscou (UNIC), expressou preocupação com a situação atual no mundo. Segundo ele, “no mundo moderno, o grau de tensão não diminui, e mesmo o progresso científico e tecnológico não permite dizer ‘nós’, por isso a cultura deve ter o objetivo de buscar união entre os povos“. O palestrante manifestou apoio à iniciativa de desenvolver a ideia de criação de um “Modelo BRICS” no ambiente estudantil.

Sergei Bogatirev, vice-presidente do Comitê do Conselho Internacional de Museus (ICOM), ofereceu uma recomendação em nome da comunidade internacional de museus para abordar a questão atual de segurança de exposições culturais enviadas a outros países como objetos de exibição. Oksana Voloshina, diretora do Departamento de Especialização em Patrimônio Cultural da Câmara Forense da Federação Russa, compartilhou seus valiosos pensamentos e recomendações. Ela enfatizou a necessidade de criar um Centro Cultural dos países do BRICS, um registro comum dos monumentos culturais, arquitetônicos e paisagísticos dos países membros do BRICS e a comunidade de especialistas dos países do grupo. Voloshina também destacou a necessidade de desenvolver o turismo cultural dentro da associação.

“Civil Forum to present recommendations to the BRICS Leaders”, para ler a notícia em inglês, clique na imagem. Crédito: Григорий Сысоев / Фотохост-агентство brics-russia2020.ru

O palestrante da China, An Ting, vice-presidente da Associação Popular de Pequim para a Amizade com Países Estrangeiros, sugeriu “aprofundar os intercâmbios e a cooperação com a Rússia no campo da ópera e do balé, Bollywood da Índia, rica cultura tradicional do Brasil e a África do Sul, desejando que as ONGs do BRICS institucionalizem seus intercâmbios culturais em diversos campos, para que talentos da oficina cultural contribuam para a beleza e harmonia do mundo“. Purnima Anand, presidente do Fórum Internacional BRICS, presidente honorário da Federação Internacional de Clubes Juvenis Russo-Indianos em Nova Delhi, observando o sucesso do projeto “Grandes Professores do BRICS” implementado pela BRICS: Mundo das Tradições, sugeriu “preservar nossa contribuição para a história milenar dos Grandes Professores e seu patrimônio em formato digital, para que sejam acessíveis e utilizados por instituições para fins acadêmicos e empresariais”.

Ainda foram sugeridas a criação de um fórum para jovens cientistas, representantes da indústria, artistas e empresários das principais cidades do BRICS, no intuito de promover a comunicação sobre arte, literatura, questões culturais e negócios. Durante a discussão das recomendações, Mikhail Gorbatov, chefe do Departamento de Apoio à Informação e Interação com os Temas da Federação Russa da Agência Federal para Assuntos da Comunidade dos Estados Independentes (CEI), compatriotas que vivem no exterior e cooperação humanitária internacional, em nome de Rossotrudnichestvo, expressou “sincero apoio à iniciativa de criar uma Associação de ONGs relacionadas ao BRICS“.

A presidente do Fórum Internacional do BRICS, organizador e idealizador do projeto “Visões para o Futuro”, Purnima Anand (esq.) e a presidente da BRICS: Mundo das Tradições Liudmila Sekatcheva (dir.). Crédito: BRICS: Mundo das Tradições.

A painelista brasileira, parceira da BRICS. Mundo das Tradições, Alessandra Scangarelli, editora-chefe da Revista Intertelas, apresentou a ideia da produção conjunta de conteúdos literários e cinematográficos comuns aos cinco países no futuro, bem como seu acesso ao público em geral, e lembrou que “a criação da União de ONGs do BRICS também contribuirá para o desenvolvimento da diplomacia pública e da cooperação entre as organizações não governamentais dos países do BRICS“.

Notadamente, que o projeto de jubileu em homenagem ao 75º aniversário da Grande Vitória Aliada sobre o Nazismo inspirou Scangarelli e seu colega Éden Pereira da Silva Lopez, participantes do encontro, a serem co-autores do livro “A Grande Guerra Patriótica dos Soviéticos”, que relata o papel de liderança da União Soviética nesta guerra. Matthew A. D. Wannenburg, pesquisador do Instituto Sul-Africano de Relações Internacionais, expressou solidariedade com a visão de Jane Mufamadi sobre o soft power dos museus e as iniciativas de Leonardo Valente para promover a cooperação cultural.

Membro indiano do grupo de trabalho Dipanshu Gupta, observando em suas recomendações as diferenças existentes entre os países do BRICS em termos culturais, sociais e econômicos, apoiou a ideia de criar a União de ONGs do BRICS como “uma plataforma para integrar os valores transculturais da aliança, por meio de projetos e atividades culturais que visam aprofundar e ampliar a interação da diplomacia pública nas esferas humanitária e cultural”. O presidente do Parlamento Juvenil da ALBRIX no Iêmen, Ali Algaffari, em nome dessa organização, expressou uma valiosa mensagem aos participantes do Grupo de Trabalho sobre a necessidade de seguir a “cultura da beleza” ( da cooperação pacífica e integradora), que faz parte da cultura de desenvolvimento do BRICS. Como parte da iniciativa de criação de uma Escola de Idiomas do BRICS, o palestrante expressou esperança pela inclusão da língua árabe no programa, bem como pela divulgação de informações no site oficial do Fórum.

Crédito: Mariana S. Brites/Revista Intertelas.

Grande assistência na preparação e condução de ambas as sessões online do Grupo de Trabalho foi fornecida por seus membros: Anita Dkhar, aluna de doutorado do Departamento de Teoria e História das Relações Internacionais da Universidade Russa da Amizade dos Povos (RUDN) e Anastasia Iliushina, aluna de mestrado do Departamento da Faculdade de Gestão e Política do Instituto Estatal de Relações Internacionais de Moscou. Durante ambas as discussões, os membros do Grupo de Trabalho mais uma vez confirmaram a tese de que cultura e moralidade estão profunda e inextricavelmente ligadas! Durante os encontros, o tema de unir as instituições civis do BRICS a partir de uma postura de gentileza, confiança, harmonia e respeito mútuo foi constantemente levantado. Esse é um caminho bem escolhido que, sem dúvida, levará à aproximação e boa cooperação de todos os representantes dos países do BRICS.

Tradução e adaptação: Alessandra Scangarelli Brites

O registro da Reunião do Grupo de Trabalho em 19 de agosto está no YouTube (em russo), confira!

O registro da Reunião do Grupo de Trabalho em 27 de agosto está no YouTube (em inglês, russo e mandarim), confira!

 

 

Deixe seu comentário

Tema: Baskerville 2 por Anders Noren

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: