Longa documental “Colombia in My Arms” estreia na Mostra de São Paulo

“Colombia in My Arms – Mulheres das FARC”. Crédito: Jussi Rastas.

O documentário inédito “Colombia in My Arms”, de Jenni Kivistö e Jussi Rastas poderá ser assistido pelo público brasileiro entre os dias 22 de outubro a 4 de novembro na plataforma Spcine Play, gratuitamente, dentro da 44º Mostra Internacional de Cinema de São Paulo. Produção entre Finlândia (país de origem dos diretores), França, Dinamarca e Noruega, o longa é um retrato íntimo sobre pessoas em pontos extremos da sociedade colombiana no pós-acordo de paz de 2016 entre as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) e o governo.

Vencedor do prêmio de melhor documentário nórdico do Festival de Gotemburgo (Suécia), o documentário acompanha Ernesto, um dos muitos guerrilheiros das FARC que sonham com um país melhor pelo qual lutar, mas desta vez sem armas. Ao mesmo tempo em que Ernesto entra na política, uma apaixonada congressista de direita e um aristocrata descendente de espanhóis querem a extinção das FARC. Sobre o filme, escreveu o crítico dinamarquês Tue Steen Müller: “Os cineastas foram bem-sucedidos ao criar um drama tão bom quanto qualquer ficção”.

Um documentário impressionante. Os cineastas foram bem-sucedidos ao criar um drama tão bom quanto qualquer ficção”. (Tue Steen Müller, crítico e ex-diretor do European Documentary Network)

Eloquente e sensível. Qualidade onírica interrompida por ocasionais arroubos de violência”. (Nick Holdsworth, The European Documentary Magazine)

Documentário excepcionalmente ambicioso que cresce da situação de um país a uma observação universal”. Tapio Riihimäki (Diretor executivo DocPoint 2020)

Nossa ideia original era fazer um filme poético sobre paz. Mas à medida que as pessoas que conhecemos começaram a enfrentar desafios, sentimos a necessidade de seguir o desenrolar da situação”, relembra a cineasta Jenni Kivistö, que divide direção, roteiro e montagem com o também finlandês Jussi Rastas. “A paz tão celebrada já não parecia tão óbvia. Como as forças opostas estavam claramente polarizadas, sentimos que era essencial nos aproximar delas para refletir melhor a situação”, conclui. Atualmente em sua terra natal, Jenni viveu sete anos na Colômbia.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Rastas fala da experiência com os personagens retratados no filme, de camponeses a figuras políticas: “Inesperadamente, encontramos pessoas que se opunham  entre si, mas muito abertas a discutir assuntos difíceis com cineastas estrangeiros”. O realizador tem experiência como produtor audiovisual em zonas de conflito pelo mundo. “Esta foi uma oportunidade para abrir janelas para o público sobre as diferentes realidades que se entrelaçam”, acredita. A produção durou três anos, metade dedicada às filmagens em Bogotá e interior do país.

Sobre os cineastas

Jenni Kivistö, documentarista finlandesa, viveu e estudou na Colômbia por sete anos. Atualmente, completa seu mestrado em realização de documentários na Universidade de Aalto (Finlândia). Seus filmes anteriores incluem o longa documental “Land Within” (2016, exibido no festival DOK Leipzig) e o curta “Äiti” (2016, premiado no festival Zinebi).

Jussi Rastas, documentarista e diretor de fotografia finlandês. Viveu quatro anos na América do Sul, na Colômbia, Peru e Chile. Mestre em Meios Digitais (Universidade de Jyväskylä, Finlandia), estudou direção de fotografia na Espanha (ESCAC). Nos últimos anos, trabalhou como produtor audiovisual para a Cruz Vermelha Internacional em zonas de conflito e desastres na Ucrânia, Síria e África.

Deixe seu comentário

Tema: Baskerville 2 por Anders Noren

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: