Relíquias culturais estão desaparecendo em todo o mundo, devido às mudanças climáticas

Trabalhadores da construção civil consertam uma barreira fora do Templo de Jinci, província de Shanxi, norte da China, 12 de outubro de 2021. Crédito: Xinhua.

Xiao Jun está muito preocupado com sua cidade natal atualmente. Dias de fortes chuvas contínuas na província de Shanxi, no norte da China, no início deste mês, deixaram mais de 1.700 edifícios antigos e relíquias culturais danificadas. Em Pingyao, conhecido como um dos exemplos mais bem preservados de uma cidade tradicional chinesa Han, a enchente causou o colapso parcial das famosas muralhas da cidade antiga, que datam do século XIV. Os danos causados ​​a esses prédios preciosos me deixaram angustiado“, disse Xiao Jun, um nativo de Shanxi que cresceu na capital da província, Taiyuan.

Vazamentos no telhado apareceram no Templo Jinci, um dos mais antigos jardins de altar chineses a sobreviver. As Grutas de Tianlongshan, que abrigam várias esculturas budistas, e o Templo Mengshan Kaihua, que retrata o estilo arquitetônico da Dinastia Song (960-1127), também tiveram vazamentos. O trabalho de resgate e reparo nos prédios danificados pela chuva ainda está em andamento em Shanxi, que está acostumada a um clima mais seco. Fortes chuvas começaram no norte da China desde julho, incluindo a tempestade na cidade de Zhengzhou, no centro do país, que deixou mais de 300 mortos ou desaparecidos. No início de outubro, a precipitação média em Shanxi era três vezes maior do que a precipitação média mensal.

Uma vista da estrutura do telhado de madeira do Templo Doctor Dou em Taiyuan, província de Shanxi, norte da China. Crédito: VCG.

Com sua vasta quantidade de vestígios arquitetônicos antigos, Shanxi foi apelidado de “Museu da arquitetura chinesa antiga”. Um total de 50.000 relíquias culturais registradas, incluindo 28.027 edifícios antigos, estão preservadas na província, de acordo com o Shanxi Culture Relics BureauMuitas das estruturas foram construídas com técnicas arquitetônicas requintadas, como o Templo Suspenso de Hengshan que se agarra a um penhasco a mais de 50 metros do solo. A arquitetura sobreviveu a milhares de anos e foi selecionada como um dos “10 edifícios mais precários” do mundo pela revista Time em 2010.

Lembro-me de quando tinha quatro ou cinco anos e consegui um papel em uma série histórica de TV perto do Doctor Dou Temple, perto de minha casa”, disse Xiao Jun. “Conforme cresci, comecei a ter uma afinidade com essas arquiteturas históricas“. O Templo Doctor Dou foi construído para lembrar a memória de Dou Chou, um oficial do governo da Dinastia Jin no período da primavera e outono (770 a 476 aC), mais conhecido por seu esforço heróico no combate a uma inundação devastadora. Felizmente, o templo não foi muito afetado desta vez, pois foi registrado como uma relíquia cultural nacional e estava sob melhor proteção do governo estadual.

Lascas de gelo caem de um dos lados da geleira Perito Moreno perto da cidade de El Calafate, na província patagônica de Santa Cruz, sul da Argentina, 7 de julho de 2008. Crédito: Reuters.

De 2016 a 2020, os governos estaduais e locais investiram mais de um bilhão de yuans (US $ 155 milhões) na manutenção e proteção de emergência de edifícios antigos. A tecnologia é aplicada para sua preservação e inclui métodos como a restauração digital de imagens de antigos murais. Mas a falta de profissionais, em parte devido ao processo de treinamento difícil e demorado, continua sendo um problema. A situação de locais com proteção do governo local é pior em comparação com aqueles sob proteção em nível estadual. A maioria dos edifícios antigos que sofreram danos estruturais são aqueles que não são registrados e exigem dois ou três anos de obras de restauração, segundo especialistas.

Não devemos apenas nos concentrar nas principais relíquias culturais, mas também prestar atenção às relíquias não registradas em áreas remotas“, disse Li Guorong, pesquisador do Primeiro Arquivo Histórico da China (SHAC). “Nenhuma relíquia deve ser deixada“. A proteção de relíquias culturais requer o estabelecimento de planos de emergência, especialmente aqueles abaixo do nível do condado”, disse Li. “Precisamos ter medidas de emergência para prevenir essas relíquias de desastres naturais como inundações, incêndios, ciclones e terremotos“.

Como as mudanças climáticas afetam o patrimônio cultural global?

O número de desastres causados ​​pela mudança climática aumentou quatro vezes nas últimas cinco décadas, de acordo com a Organização Meteorológica Mundial (OMM). A tempestade que inundou a Alemanha e a Bélgica, os incêndios florestais na Sibéria e a forte onda de calor no Canadá deste ano refletem uma tendência global de aumento da frequência de condições climáticas extremas. O Centro para Soluções Climáticas e Emergenciais (C2ES), uma organização ambiental sem fins lucrativos, observou que o aquecimento global está causando eventos climáticos extremos mais intensos e frequentes.

Nos Estados Unidos, cerca de 13.000 sítios arqueológicos podem ser danificados até o final deste século, devido ao degelo do permafrost e à elevação do nível do mar, de acordo com um estudo baseado no Índice Digital de Arqueologia Norte-Americana (DINAA). Inclui o Trujillo Adobe, que foi construído em 1862 e agora serve como um testamento da migração e assentamento no sul da Califórnia, e a Reserva Nacional Bering Land Bridge, na costa oeste do Alasca, lar de artefatos arqueológicos que registram o primeiro ser humano a habitar América do Norte. 

Enquanto isso, a região nordeste dos Estados Unidos provavelmente experimentará um aumento de pelo menos 40% nas chuvas fortes até o final do século, de acordo com a Administração Oceânica e Atmosférica Nacional. A região já testemunhou um aumento de 55% nas últimas décadas. As áreas costeiras em outras partes do mundo também verão o aumento contínuo do nível do mar ao longo do século 21, o que leva a inundações costeiras mais frequentes, de acordo com o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC)

Eventos extremos ao nível do mar que acontecem uma vez a cada 100 anos, provavelmente, ocorrerão todos os anos até o final deste século. A Abadia de Furness, um dos maiores e mais ricos mosteiros do noroeste da Inglaterra, passa por uma erosão cada vez maior. Enquanto isso, a erosão costeira no sudeste da Inglaterra continua afetando a cidade medieval de Dunwich. Outrora uma das 10 maiores cidades da Inglaterra, ela praticamente desapareceu no mar.

(Pseudônimos foram usados nesta reportagem ​​para todos os entrevistados, exceto os especialistas, no intuito de proteger a privacidade dessas pessoas.) 

Fonte: Texto originalmente publicado em inglês no site do CGTN.
Link direto: https://news.cgtn.com/news/2021-10-21/Cultural-relics-are-disappearing-worldwide-thanks-to-climate-change-14xtQOT6oWk/index.html

Zhong Xia
Articulista da CGTN
Editado por Zeng Ziyi
Tradução e adaptação – Alessandra Scangarelli Brites – Intertelas

Deixe seu comentário

por Anders Noren

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: