Jornalismo de Guerra, a arma silenciosa do Imperialismo

Crédito: site Forças Terrestres

Com o avanço da internet no campo da conectividade pessoal, a fabricação de notícias falsas ganhou corpo, principalmente as que têm um caráter político-militar. Assim, a sanha do imperialismo em conquistar novos mercados passou a utilizar um jornalismo ficcional, mas com toda a roupagem de realista para a produção de “notícias” que possam beneficiar os países centrais no seu intuito de dominar outros povos. Esse projeto que hoje é tratado como mais um meio militar de ação tem sido denominado como “jornalismo de guerra”.

O “jornalismo de guerra” tem por tática exibir longas reportagens sobre o “alvo”, alternando vários comentários sobre o assunto em programas e horários distintos no primeiro momento. Muitas vezes é utilizada uma segunda fase, onde notícias curtas e impactantes são usadas para lembrar do assunto, agora em uma perspectiva piorada, como se houvesse um agravamento da situação. Nesse sentido, cria-se uma versão a priori no tom de “pós-verdade” dos acontecimentos, através da repetição insistente de alguns “pontos chaves” (liberdade, democracia, respeito, leis, ordem, paz e etc.). Na maioria das vezes palavras e expressões desconexas e vazias perante o assunto elencado, mas que demonstram que o “alvo” as contraria insistentemente.

Em se tratando do “jornalismo de guerra” na geopolítica, o imperialismo a utiliza na conjuntura internacional contra alguns países em especial, por motivos e interesses variados: Rússia, China, Venezuela, Coreia do Norte, Cuba, Síria, Irã e Palestina são tratados pelo conglomerado de mídia como inimigos da paz e da democracia, conceitos sagrados universalmente, mas vazios sem a devida contextualização histórica. Ignorando esse pressuposto, o “jornalismo de guerra”, trata esses países diariamente como inimigos da humanidade e da paz mundial a partir de falsas notícias.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Ao definirem esse grupo de países como “inimigos”, Washington (EUA/OTAN) e Bruxelas (UE) passaram a usar uma linguagem própria nas matérias jornalísticas concernentes aos mesmos. Para o “jornalismo de guerra” nenhum deles possui governo e sim “regimes”, seus chefes de Estado não são presidentes ou ministros, são “ditadores”, as eleições que os sagram são sempre postas em dúvida como sendo falsas ou manipuladas.

Seus governos são constantemente tratados como violadores dos Direitos Humanos, suas economias são noticiadas como decadentes e seus povos sempre vistos como vítimas de “tiranias”. O curioso é que as mídias que fabricam essas notícias, na maioria das vezes não possuem correspondentes nesses países e noticiam a partir de lugares distantes ou rivais, demonstrando flagrante parcialidade em não permitirem que a versão estatal dos acusados seja divulgada.

O “jornalismo de guerra” é a contrapartida na área estratégica da informação e contrainformação do operativo militar dos países imperialistas. O jornalismo por ser de guerra, opera com a finalidade de capturar e destruir a verdade, sem possibilidade de negociação por parte do contraditório ou da verdade histórica. Nesse sentido, o “Consenso de Washington” elaborou pautas e roteiros que os conglomerados de mídia que estão ao seu serviço devem seguir.

O jornalismo de guerra fabrica a verdade que será dita pelos vencidos.

Dessa maneira surgiu o “Jornalismo de Guerra”, usando todos os tipos de meios; produz ataques a partir de falsificações da conjuntura e da manipulação da realidade, contra tudo que não esteja no padrão do ocidente-capitalista, isto é, a imposição dogmática do padrão “branco, capitalista, liberal e judaico-cristão”. São esses os pontos basilares da cultura que pautam o “jornalismo de guerra”, fora desse contexto torna-se “alvo”.

O “jornalismo de guerra” ignora o espaço público, plural e contraditório, tendo como consigna a defesa do privado e do Mercado, opera lastreado pelos interesses do grande capital dentro da esfera geopolítica definida por Washington (EUA/OTAN) e Bruxelas (UE). Como estratégia, realiza apenas coberturas de eventos e fatos que possam ser descritos na ótica da “metaverdade”. Isto é, o trabalho na escolha seletiva da ”informação”, obedece a viabilidade de se ignorar por completo o princípio da realidade, neutralizando a possibilidade de crítica. O que é massivamente promulgado é uma espécie de “verdade absoluta” (metaverdade), produzida no contexto de guerra. Todo e qualquer discurso fora desse eixo é taxado de o “outro”, o “inimigo” ou o “falso”.

Crédito: Blasting News

Não permitindo o contraditório e impondo a sua versão dos fatos, o “jornalismo de guerra” produz de forma artificial uma “verdade” sem base empírica. Essas “verdades” fabricadas pelo “jornalismo de guerra” são produzidas de forma escalonada, visando a penetração social de forma diferenciada, obedecendo a idade e a classe social dos indivíduos do país alvo, que tem nos setores jovens da classe média urbana o seu principal público. Os efeitos a serem atingidos no seio da sociedade variam entre o radicalismo histérico e a indiferença letárgica. Sendo o radicalismo alcançado, o “jornalismo de guerra” ativa os mecanismos de produção de notícias que apontem para uma solução imediata no seu campo político. Sendo a indiferença o resultado, a tática é continuar com as notícias de saturação de forma subliminar, produzindo o desgaste e o descrédito do “alvo”.

A massificação da “metaverdade” anula o empirismo do jornalismo e passa a trabalhar com a pós-verdade. Cessa no contexto da guerra de informações, qualquer possibilidade de jornalismo investigativo. O repórter é transformado em um autômato que repete a pauta que lhe é fornecida como uma ordem direta. Outro aspecto do “Jornalismo de Guerra” é transformação o jornalista em um ser “onisciente”, já que a sua discrição dos fatos passa a dispensar o apoio de cientistas, especialistas e até mesmo de testemunhas oculares dos fatos. Esse jornalista ou repórter exerce o típico jornalismo opinativo, seguindo um roteiro previamente concebido, não por um núcleo jornalístico, mas sim por um núcleo administrativo/financeiro.

Crédito: PRESSLAB / Shutterstock.com

A característica peculiar do “jornalismo de guerra” é a militarização da redação jornalística, onde a matéria é construída de cima para baixo, atendendo as demandas dos patrocinadores e dos interesses imperialistas. Essa hierarquização não permite espaço para o trânsito investigativo do jornalismo, muito menos à confrontação natural do contradito. A matéria chega pronta (pautada) para que o jornalista insira nela uma linguagem adequada ao público alvo. Sempre usando palavras de efeito, mescladas com imagens fortes, coloridas e múltiplas. A pauta do “jornalismo de guerra” envolve os dramas sociais, discutidos a partir de um campo supostamente neutro. O tom apelativo e ufanístico são usados para causar comoção instantânea e evitar reflexões contrárias.

O “jornalismo de guerra” nasceu para conquistar corações e mentes, o objetivo central é a manutenção dos objetivos imperialistas dos países que compõem a OTAN, de maneira a manter a “opinião pública” (setores médios e urbanos) presa a um processo de alienação, consumismo e passividade, além do derrotismo e descrença constante na coisa pública e na organização coletiva. Essa dominação visa também à conquista da sociedade através da imposição de padrões a partir de pressupostos psicológicos, produzidos pela “mídia de guerra”, a fim afastar o senso crítico do campo social, político e econômico, apostando sempre no fatalismo e na catarse.

Assista o trailer do filme “Leãos e Cordeiros”, dica audiovisual deste artigo:

Fonte: Texto originalmente publicado no site do Mapa Mundi
Link direto: https://mapamundi.org.br/2018/jornalismo-de-guerra-a-arma-silenciosa-do-imperialismo/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: