O medo e a paranoia da era Bush jr. no pequeno clássico “O Nevoeiro”

Laurie Holden, Thomas Jane e Nathan Gamble estrelam a adaptação de Frank Darabont de “O Nevoeiro”,, de Stephen King. Crédito: IMDb.

Talvez nenhum outro filme tenha retratado tão bem as paranoias e esquizofrenias da era Bush Júnior como o pequeno grande filme de Frank Darabont (que dirigiu e foi responsável pelo roteiro), “The Mist” (O Nevoeiro), de 2007, baseado num livro do escritor Stephen King. Uma época marcada pela desesperada vingança estadunidense após o 11/09, levando de roldão o equilíbrio da democracia naquele país e permitindo o progressivo desrespeito aos direitos humanos, em nome de uma subjetiva “Guerra ao Terror” que afetou, basicamente, o mundo inteiro.

Crédito: IMDb.

O filme, de produção modesta (para os padrões estadunidenses), não foi um grande sucesso naquele ano, custando pouco mais de US$ 18 milhões e arrecadando US$ 25 milhões nos EUA. A audiência não achou palatável o tom cético do filme. Contudo, as locadoras e a crítica especializada souberam reconhecer o valor da obra, elevada ao status de Cult por apaixonados defensores. Eles provaram estar certos. O filme continua assustadoramente atual nas suas ambições políticas e narrativas.

Thomas Jane (David Drayton) e Nathan Gamble (Billy Drayton) estrelam a adaptação de Frank Darabont de “O Nevoeiro” (2008). .Crédito: IMDb.

A história evolui rapidamente, a partir de um estranho nevoeiro que toma conta de uma pequena cidade, trazendo com ela estranhas e mortais criaturas e forçando um grupo de sobreviventes a se entrincheirar em um mercado local, sufocados pelas incertezas e, principalmente, diferenças entre aquelas pessoas e de como elas interpretam o estranho fenômeno. O fantástico aqui é utilizado pelos roteiristas como uma oportunidade de mergulhar nas tensões e conflitos que assolam a sociedade estadunidense.

Este slideshow necessita de JavaScript.

E nesse aspecto ele apresenta momentos que estão entre os mais tensos do cinema comercial estadunidense no passado recente.  À medida que os fenômenos tornam-se mais misteriosos e mortais, seu entendimento começa ser disputados por grupos que suspeitam da ação de “terroristas” até o fatalismo religioso do castigo divino. Destaca-se a assustadora personagem Mrs. Carmody (Marcia Gay Harden, na melhor atuação do filme), uma fanática religiosa que, ao proporcionar um discurso apocalíptico sobre os acontecimentos, se torna, de longe, a maior ameaça para as pessoas que tentam desesperadamente sobreviver.

Thomas Jane (David Drayton), Bill Sadler (Jim Grondin) e Marcia Gay Harden (Sra. Carmody) estrelam a adaptação de Frank Darabont de “O Nevoeiro”. Crédito: IMDb.

A ação passa quase que inteiramente nas dependências de um pequeno mercado, em um dos símbolos da nossa civilização, e mesmo não sendo original no seu propósito (George Romero já fizera isso em seu clássico “Dawn of the Dead” – 1978), não deixa de ser interessante a ironia do roteiro. O próprio nevoeiro funciona (na correta e angustiante fotografia de Rohn Schmidt) como admirável analogia do medo, por engolir a civilização e tudo que nela vive. Pior, limita a capacidade das pessoas em enxergar saídas e engendrar soluções para os problemas enfrentados.

Frank Darabont no set de seu filme, “O Nevoeiro” (2008), baseado na obra de Stephen King. Crédito: IMDb.

O diretor Frank Darabont avança a trama de forma admirável, aproveitando-se do clima claustrofóbico para criar um ambiente de progressiva tensão. O tom da obra é eminentemente pessimista, seja pelo destino apontado pelo roteiro, seja pela tese que o filme desenvolve sobre a própria civilização, onde o homem encurralado e assustado costuma, normalmente, cair na tentação da violência caótica e desesperada. Somos bichos irascíveis e infantilizados, e isso se mostra claro quando as estruturas que suportam a vida social (o Estado, notadamente) desaparecem. Destaca-se também a sensibilidade de Darabont para filmar o material original de Stephen King como admirável analogia do medo, por engolir a civilização e tudo que vivi nela. Pior, limita a capacidade das pessoas enxergara saídas e engendrar soluções para os problemas enfrentados pelas pessoas.

Assustador pensar que o filme é mais atual do que nunca, ainda mais por conta da sucessão de atentados, em especial na Europa, ocorridos nos últimos anos, com o reflexo político imediato: a ascensão da extrema direita e do nacionalismo mais belicoso no mundo. Os medos irradiados por essa onda conservadora estão, todas elas, no filme. Algumas produções filmes empalidecem com os anos. Outros melhoram a cada projeção. É o caso de “O Nevoeiro”.

Fonte: texto originalmente publicado no site do O Beco do Cinema
Link diretohttps://obecodocinema.wordpress.com/2017/06/05/o-medo-e-a-paranoia-da-era-bush-jr-no-pequeno-classico-o-nevoeiro/

Título: O Nevoeiro
País: EUA
Direção: Frank Darabont
Roteiristas: Frank Darabont (roteiro), Stephen King (novela)

Elenco: Thomas Jane, Marcia Gay Harden, Laurie Holden
Duração: 2h06min
Lançamento: 29 de agosto de 2008 
Idioma: português

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: