Quanto tempo ainda vai durar o crime do Forte Detrick?!, Li Yang, Cônsul-Geral da China no Rio

Crédito: https://mkninomiya.wordpress.com/

Recentemente, o Laboratório Bioquímico do Forte Detrick, localizado no Estado de Maryland, EUA, nomeadamente o Instituto de Pesquisa das Doenças Infecciosas do Exército dos EUA, aparece frequentemente em vários meios de comunicação mundial em razâo de sua mostruosidade e maldade. O Forte Detrick herdou o “legado do diabo”. Durante a Guerra de Invasão do Japão contra a China nas décadas de 30 e 40 no século passado, a infame força biológica da Unidade 731, que pertencia ao antigo Exército Imperial do Japão, realizou inúmeras experiências horripilantes em seres humanos no Nordeste da China envolvendo bactérias, gás venenoso, câmaras de pressão e vivissecções, tendo como alvo os civis e soldados anti-japoneses da China, da União Soviética, da Coreia, da Mongólia, dos Estados Unidos, da Grã-Bretanha e de outros países.

Estima-se que 3.000 a 8.000 pessoas foram usadas como cobaias e mortas nessas experiências! Além disso, entre 1940 e 1942, a Unidade 731 também realizou uma guerra bacteriológica em larga escala nas Províncias chinesas de Zhejiang, Hunan, Jiangxi, Shandong, Guangdong e Yunnan, causando baixas significativas entre combatentes e civis inocentes. No entanto, surpreendentemente, em outubro de 1945 os especialistas em bioquímica do Forte Detrick mantiveram contatos frequentes com os principais membros da Unidade 731, incluindo o tenente-general Ishii Shiro, chefe da unidade, a fim de obter os detalhes das experiências de guerra bacteriana japonesas.

Como resultado, Ishii Shiro e seus cúmplices entregaram todos os documentos e registros de pesquisa para os militares dos EUA com a condição de não serem processados por crimes de guerra no Julgamento de Tóquio. Os numerosos registros escritos agora mantidos no Arquivo Nacional dos EUA e na Biblioteca e Museu Presidencial de Harry S. Truman mostram que, através desta transação sórdida, os EUA não só aprimoraram suas capacidades de guerra biológica, como também encobriram os crimes brutais do militarismo japonês, ajudando os criminosos de guerra a escaparem da punição. Mais tarde, Ishii Shiro foi contratado pelos EUA como consultor de armas biológicas!

O Forte Detrick criou um mal ainda maior. Segundo documentos mantidos no Arquivo Nacional dos EUA, de 1946 a 1949, foram realizadas cerca de 60 entrevistas com ex-membros da Unidade 731 em Forte Detrick. O jornalista americano John Powell escreveu em seu livro: “Claramente, os especialistas em guerra biológica dos EUA aprenderam muito com seus colegas japoneses. Embora não saibamos exatamente o quanto essas informações (fornecidas pelos japoneses) avançaram no programa americano (de armas biológicas), temos o testemunho dos especialistas de Forte Detrick de que eram inestimáveis. Poucas pessoas sabem que as armas biológicas desenvolvidas depois pelos EUA foram muito semelhantes às armas bacteriológicas inicialmente desenvolvidas pelo Japão.”

No início de 1952, os militares americanos lançaram guerras bacteriológicas na Coréia do Norte e no Nordeste da China com bombas bacterianas carregadas de pulgas, formigas e moscas infectadas por peste e cólera. A investigação da Comissão Científica Internacional para os Fatos Relativos às Guerras Bacteriológicas na Coréia do Norte e na China confirmou que o método usado pelos militares norte-americanos foi desenvolvido com base nos métodos de guerra bacteriológica japoneses. Naquela época, segundo as fontes internas dos EUA, com o auxílio de Ishii Shiro e dos outros, os norte-americanos realizaram experimentos de guerra bacteriana em cima dos prisioneiros de guerra na Ilha de Geoje-do, vitimando até 3.000 pessoas por dia!

Durante a Guerra do Vietnã, os militares dos EUA aspergiram um desfolhante chamado “Agente Laranja” sobre 10% do território no sul do Vietnã, lacerando 4,8 milhões de vietnamitas na época. Até hoje, a saúde do povo vietnamita ainda está sendo ameaçada pelas “sequelas do Agente Laranja”. Foi o Laboratório de Armas Bioquímicas do Forte Detrick que chefiava as pesquisas e o desenvolvimento do Agente Laranja. Quanto tempo ainda vai durar o crime do Forte Detrick? Em setembro de 1971, considerando a assustadora ameaça das armas biológicas e bacteriológicas à sociedade humana e ao meio ambiente, 12 países apresentaram à 26ª Assembleia Geral das Nações Unidas o projeto de Convenção sobre a Proibição de Armas Biológicas.

O texto da Convenção foi aberto para assinatura em abril de 1972 e entrou em vigor em março de 1975, contando com 183 Estados Partes até agora. A Convenção proíbe a utilização e exige a destruição de todas as armas bacteriológicas (biológicas) e toxinas. Dado que a Convenção carece de um mecanismo de verificação, a comunidade internacional trabalha há décadas para negociar um protocolo de verificação. No entanto, esta negociação tão importante está bloqueada unilateralmente pelos EUA sob o pretexto de ser uma “ameaça à segurança nacional norte-americana”. Por que os EUA fazem isso? Será que os EUA  implementarão de boa fé a Convenção sobre a Proibição de Armas Biológicas e abandonarão o programa de armas biológicas que eles vêm perseguindo há muitos anos?

Em várias ocasiões, foi revelado pelas forças armadas e agências de inteligência da Rússia e de outros países que os EUA estabeleceram mais de 200 laboratórios biológicos de uso militar e civil no mundo inteiro em nome do combate ao terrorismo bioquímico, e que não pode ser excluída a possibilidade de que esses laboratórios estejam desenvolvendo armas biológicas. Os pecados do Forte Detrick vão muito além disso. Entre julho e agosto de 2019, o Forte Detrick, onde tinha acontecido vazamentos de vírus antes, teve mais dois vazamentos, e foi fechado após avaliação do Centro para Controle e Prevenção das Doenças (CDC) dos EUA.

Logo depois, uma “pneumonia desconhecida” apareceu no Estado de Maryland, seguida por um nível sem precedentes de atividade de “influenza” em todo o país, na qual havia, de fato, muitos casos confirmados de Covid-19. O governo dos EUA censuraram rapidamente as notícias e reportagens sobre os vazamentos e o fechamento do laboratório. Atualmente, há cada vez mais pessoas que suspeitam da ligação estreita entre a pandemia de Covid-19 e o Laboratório Bioquímico do Forte Detrick, e exigem fortemente uma investigação internacional ao laboratório, que foi recusada pelos EUA. Carregando sobre si pecados históricos hediondos, e enfrentando a preocupação real da comunidade internacional com a Covid-19, o Forte Detrick deve ao mundo uma explicação!

Li Yang

Cônsul-Geral da República Popular da China no Rio de Janeiro

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: