Recomendações do Fórum Civil do BRICS 2020, realizado em Moscou, serão direcionadas à Cúpula dos Chefes de Estado em novembro

Crédito: Fórum Civil do BRICS 2020.

O Fórum Civil do BRICS 2020 terminou em Moscou em 25 de setembro. Entre os diversos objetivos deste evento está o de levar as propostas e debates realizados à Cúpula dos Chefes de Estado do BRICS, que ocorrerá dia 17 de novembro, via videoconferência. Assim, durante três dias do Fórum mais de 450 ativistas cívicos, representantes de organizações sem fins lucrativos, fundações, autoridades, empresas socialmente responsáveis, mídia e a comunidade de especialistas do Brasil, Rússia, Índia , China e África do Sul tornaram-se convidados desta iniciativa em plataformas digitais.

Entre os presentes pode-se destacar a presidente da organização pública regional “BRICS: Mundo das Tradições “ e co-presidente do Grupo de Trabalho do Fórum “Intercâmbio Cultural Internacional” Liudmila Sekatcheva; a primeira vice-presidente da organização e presidente do Clube Empresarial “Território do Sucesso” Oksana Voloshina; a vice- presidente da organização Tatiana Schmidt, especialista e estudante de PhD da Universidade Russa da Amizade dos Povos (RUDN) Anita Dkhar, e a estudante de mestrado do Instituto Estatal de Relações Internacionais de Moscou (MGIMO) Anastasia Ilyushina.

Crédito: Fórum Civil do BRICS 2020.

Através de videoconferência, os parceiros da BRICS: Mundo das Tradições, provenientes dos cinco países,  integraram o evento de forma ativa são eles: Purnima Anand, presidente do Fórum Internacional do BRICS e presidente honorária da Federação Internacional de Clubes da Juventude Indiano-Russa em Nova Delhi; Leonardo Valente, diretor do Instituto de Internacional Relações e Defesa da Universidade Federal do Rio de Janeiro e membro da Rede BRICS UniversityAlessandra Scangarelli Brites, editora-chefe da publicação online Revista Intertelas, com sede no Rio de Janeiro, Brasil; o historiador, analista de política internacional do site Cotidiano, pesquisador sobre o envolvimento da União Soviética na Segunda Guerra Mundial Éden Pereira da Silva Lopez; o membro associado do Instituto de Contadores Oficiais da Índia, em Nova Delhi, Dipanshu Gupta; o diretor do Snehavardhan Research Institute Snehal Tawre; e o pesquisador júnior do clima no Instituto Sul-Africano de Assuntos Internacionais, e ex-aluno da BRICS International School 2019 Matthew Alfred John Wannenburgh.

Os três dias do Fórum incluíram 10 sessões temáticas nas áreas de “Nutrição e Saúde”, “Educação e Ciência”, “Desenvolvimento Económico na Era da Digitalização”, “Estratégias de Informação e Sociedade”, “Ambiente, Clima e Energia”, “Desenvolvimento urbano e rural sustentável”, “Mulheres e meninas” e “Intercâmbio cultural internacional”. A abertura oficial foi anunciada em 23 de setembro pelo vice-ministro de Relações Exteriores da Federação Russa Sergei Riabkov. “Estamos convictos de que só o empenho coletivo dos esforços nacionais e das nossas potencialidades permitirá enfrentar com eficácia os desafios contemporâneos“, – enfatizou. Riabkov agradeceu à “BRICS: Mundo das Tradições”, pela bem sucedida execução do projeto, nos cinco países, no âmbito de expedições culturais e de pesquisa “Grandes Professores dos BRICS”.

O programa foi apoiado pelo Ministério das Relações Exteriores da Federação Russa, Ministério da Cultura da Federação Russa, Rossotrudnichestvo e Embaixadas dos países BRICS na Federação Russa. A diretora administrativa do Comitê Nacional de Pesquisa do BRICS, supervisora ​​científica do Conselho de Especialistas do BRICS Rússia, vice-presidente de relações internacionais da Far Eastern Federal University Victoria Panova e a co-presidente do Fórum Civil do BRICS, co-presidente do Grupo de Trabalho do BRICS & G20 SCOs, diretora da AIDS Infoshare Foundation Alena Peryshkina também expressaram gratidão a todos os participantes. “A falta de um diálogo construtivo com as autoridades leva muitas vezes a consequências destrutivas … Neste sentido, o Fórum Civil tem como sua missão o desenvolvimento deste diálogo e a representação adequada dos pedidos públicos”, – disse Panova.

Crédito: Fórum Civil do BRICS 2020.

O objetivo do Grupo de Trabalho “Intercâmbio Cultural Internacional” implicou no desenvolvimento de recomendações recebidas de representantes dos cinco países no campo do desenvolvimento sustentável da cooperação cultural para a posterior formação do Documento Final do Fórum Civil BRICS. Faltando um mês para o Fórum, duas mesas-redondas online do Grupo de Trabalho foram realizadas nos dias 19 e 27 de agosto com o objetivo de preparar o Projeto de Recomendações.

Os Encontros resultaram na concretização do banco de ideias cívicas do BRICS com propostas e iniciativas valiosas para aprofundar o entendimento mútuo, unir as estruturas não governamentais dos cinco países e partilhar conhecimentos para fortalecer a unidade dos BRICS na via cultural. Apesar dos limites bem delineados, as recomendações dos participantes tiveram um caráter bastante contíguo, cruzando-se com outras esferas dos Grupos de Trabalho, o que, mais uma vez, demonstrou a diversidade do fenômeno da cultura!
No decorrer das reuniões, muitos membros russos e internacionais do Grupo de Trabalho dos “cinco” apoiaram a iniciativa de criar uma União (Associação) de Organizações Não Governamentais do BRICS.

O encontro do Grupo de Trabalho do Fórum Civil do BRICS “Cooperação Cultural Internacional para o Fortalecimento da Unidade do BRICS” foi realizado no dia 24 de setembro e resultou na finalização das recomendações apresentadas ao Grupo de Trabalho. A moderadora Daria Longli-Sinitsina abriu a sessão com discurso de boas-vindas.

Os oradores da sessão foram: Liudmila Sekatcheva, também co-presidente do Grupo de Trabalho Civil BRICS “People-to-People Exchanges” e presidente da “BRICS: O Mundo das Tradições “; Pavel Kuzmin, diretor em exercício da Biblioteca Estatal Russa de Literatura Estrangeira em homenagem a M. I. Rudomino; Jane Mufamadi, co-presidente do Grupo de Trabalho Civil BRICS “People-to-People Exchanges”, diretora executiva do Complexo do Museu Memorial “Freedom Park”, na África do Sul; Hema Malini, artista, intérprete, político e presidente do Grupo de Amizade Parlamentar Índia-Rússia, na Índia; André Heller-Lopes, diretor cênico de ópera, professor da Escola de Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro, membro da Administração do Fórum Brasileiro de Ópera, Dança e Música, no Brasil; Feng Ying, diretora geral e artística do  Ballet Nacional da China; e o parceiro de mídia da sessão foi Andrey Torin, colunista da Revista Assuntos Internacionais.

O Fórum concedeu à “BRICS. O Mundo das Tradições” contatos promissores com participantes como o já citado Pavel Kuzmin, Oleg Zhiganov, co-presidente do Grupo de Trabalho “Estratégias de Informação e Sociedade” e representante do Departamento de Relações Internacionais da Assembleia Federal da Federação Russa, Anna Kurumchina, Ph.D., professora associada da Universidade Federal dos Urais, especialista em diplomacia cultural e científica do BRICS e diretora da Agência de Diplomacia Científica e Cultural.

Liudmila Sekatcheva iniciou seu discurso saudando o 75º Aniversário da Vitória na Segunda Guerra Mundial e a Grande Guerra Patriótica, onde contribuíram todos os povos do BRICS. A oradora convidou os participantes a homenagear os veteranos vivos dos cinco países e anunciou um “Minuto de Silêncio”, para lembrar os soldados mortos dos países do BRICS.
Posteriormente, ela felicitou o povo sul-africano pelo feriado nacional – Dia do Patrimônio, celebrado em 24 de setembro, que comemora a unificação do patrimônio cultural de muitos povos na chamada “nação arco-íris”.

A co-presidente do Grupo de Trabalho destacou a iniciativa de criar a Associação de ONGs do BRICS, que também foi apoiada por outros membros do Grupo, para quem estas não são apenas palavras, mas uma memória comum de projetos conjuntos previamente implementados com sucesso. “Uma organização clara, uma coordenação equilibrada e bem construída das atividades desta União de Povos, bem como a formação de uma base única de ONGs do BRICS, permitirão implementar em conjunto as propostas e iniciativas que todos apresentamos ao Fórum Civil“,- observou Sekatcheva.

O porta-voz Pavel Kuzmin destacou que “a interação dos países do BRICS no campo da cultura contribui para a adoção de decisões acertadas por parte dos representantes das ‘cinco autoridades'”. Ao falar sobre o papel da cultura na união dos povos BRICS, a famosa atriz e política indiana Hema Malini salietou -,”a grande força da rica cultura destas nações atrai outros povos e contribui não só para a sua compreensão, mas também ao intercâmbio cultural mútuo”.
Já Jane Mufamadi enfatizou que o papel dos museus e lugares de memória são um fator unificador: “Em lugares como o Freedom Park sempre haverá uma partícula de um representante de um de outro país, pois o parque foi criado em memória dos soldados de diferentes países que lutaram pela independência da África do Sul. Por isso, é um lugar onde as culturas dos nossos países unem-se“.

A porta-voz Feng Ying, exprimindo a sua opinião sobre a importância do intercâmbio intercultural, fez uma apresentação sobre o magnífico trabalho do Ballet Nacional da China, que organizou espetáculos conjuntos, baseados nas artes da dança tradicional dos cinco países. O palestrante brasileiro André Heller-Lopez também compartilhou suas reflexões sobre o papel da cultura como fator unificador dos povos do BRICS. Em particular, referiu que-, “as tradições culturais são tão vivas e vibrantes que se vêem a olho nu, nomeadamente através dos acessórios e trajes que os nossos povos usam todos os dias. Assim, prolongam a vida da cultura e ganhamos a oportunidade de a partilhar e admirar”.

No final da sessão de intercâmbio cultural, Liudmila Sekatcheva dirigiu-se aos participantes com as seguintes palavras: “Conceitos morais como amizade, bondade, confiança, harmonia entre os nossos povos são tijolos fiáveis ​​que juntos assentamos na base dos cinco países; sem eles é impossível construir relações civilizadas em qualquer esfera de interação“. Tais afirmações mais uma vez demonstraram a opinião de que os BRICS são uma família. A Sessão final do Fórum foi realizada com a participação de Pavel Kniazev, vice-diretor do Departamento de Planejamento de Política Externa do Ministério das Relações Exteriores da Federação Russa.

Ele destacou que “o Fórum demonstrou mais uma vez que as organizações civis dos cinco países estão a assumir uma posição criativa, ativa e empenhada numa cooperação construtiva e complementar“. A vice-chefe do Gabinete Executivo Presidencial da Direção de Peritos Presidenciais, Svetlana Lukash, descreveu a sua posição da seguinte forma: “Estes formatos de interação existem para permitir tornar a vida das pessoas melhor em todas as áreas. Sem fomentar a sociedade civil, não faria sentido realizar reuniões ao nível dos Chefes de Estado“.
Os co-presidentes, em seguida, apresentaram as recomendações de seus grupos de trabalho. Durante o relatório sobre o trabalho do Grupo de Trabalho de Intercâmbio Cultural Internacional, Liudmila Sekatcheva dirigiu-se a Pavel Knyazev com palavras de gratidão por seu apoio contínuo aos projetos multilaterais da Organização nos países do BRICS.

“Considerando que a missão das ONGs do BRICS e da diplomacia cultural pública é fortalecer as bases dos cinco países, harmonizando as relações nas diversas esferas de interação, deixe expressar minha esperança, de que os governos dos países do BRICS apoiem nossas recomendações” , – adicionou Sekatcheva. Concluindo o Fórum Civil do BRICS 2020, a moderadora da sessão Victoria Panova expressou a opinião geral dos participantes.

“O Fórum resultou na finalização do conjunto de Recomendações da Sociedade Civil do BRICS aos governos dos países participantes, bem como o Documento Final de ‘Apelo da Sociedade Civil dos Países do BRICS aos Líderes dos Países’. Hoje estamos transmitindo as Recomendações do Fórum Civil aos Escritórios Russos ao BRICS e ao G20. Essas recomendações ajudarão não só a concluir com sucesso a presidência russa em 2020, mas também a dar um passo confiante para o novo ciclo de cinco anos para os cinco países», – observou Panova.

Tradução e adaptação: Alessandra Scangarelli Brites

Entrevista de Liudmila Sekatcheva para a Revista “Assuntos Internacionais” do Ministério das Relações Exteriores da Federação da Rússia sobre o Fórum Civil do BRICS 2020 (em russo)

Deixe seu comentário

Tema: Baskerville 2 por Anders Noren

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: