Por dentro do Congresso Mundial Uigur: a rede de mudança de regime de direita apoiada pelos EUA que busca a “queda da China”

Crédito: reprodução Grayzone.

O site The Grayzone, especializado em notícias independentes e dedicado ao jornalismo investigativo e análises sobre política e império, há algum tempo, vem cobrindo a questão de Xinjiang e trazendo informações que, ao menos, deveriam ser consideradas pelo grande público. O site foi fundado e é editado pelo premiado jornalista e autor Max Blumenthal que trabalhou na Al Jazeera EnglishThe New York Times e no Los Angeles Times.

Revista Intertelas, observando que estas matérias trazem informações pouco debatidas e que acabaram repercutindo na mídia chinesa, como no site China Daily, decidiu realizar a tradução e disponibilizar estes trabalhos jornalísticos que afirmam serem muitas das questões divulgadas sobre Xinjiang, na grande mídia ocidental, baseadas em pesquisas científicas, no mínimo, duvidosas. Este texto foi publicado em 5 de março de 2020 e outros seguiram com abordagens sobre a política dos EUA por trás das acusações à China em 2020 e 2021 e serão igualmente traduzidos futuramente. Acompanhe abaixo.

Um grupo de combatentes do Partido Islâmico do Turquestão na Síria. Crédito: https://www.longwarjournal.org/

Apesar de se apresentar como uma organização de direitos humanos de base, o Congresso Mundial Uigur é uma rede separatista dirigida e financiada pelos Estados Unidos que formou alianças com grupos etno-nacionalistas de extrema direita. O objetivo traçado por seus fundadores é claro: a desestabilização da China e a mudança de regime em Pequim. 

Nos últimos anos, poucas histórias geraram tanta indignação no Ocidente quanto a condição dos muçulmanos uigures na China. A abordagem geral sobre o problema é normalmente representada por vazamentos aparentemente espontâneos de informações e expressões de resistência de ativistas de direitos humanos uigures que lutam para serem ouvidos contra um governo chinês tirânico. Verdadeiro ou não, quase tudo o que aparece nos relatos da mídia ocidental sobre os muçulmanos uigures da China é o produto de uma campanha de mídia cuidadosamente concebida, gerada por um aparato de separatistas uigures anticomunistas de direita financiado e treinado pelo governo dos Estados Unidos.

Uma engrenagem central na nova Guerra Fria de Washington contra a China, esta rede tem uma longa história de relacionamentos com o Estado de Segurança Nacional dos EUA e ultranacionalistas de extrema direita. No centro desse movimento está o Congresso Mundial Uigur (CMU), uma organização internacional Uigur que afirma estar engajada em uma luta “pacífica, não violenta e democrática” pelos “direitos humanos”. O CMU considera a região de Xinjiang, no noroeste da China, como o Turquestão Oriental, e vê seus habitantes muçulmanos uigures não como cidadãos chineses, mas como membros de uma nação pan-turca que se estende da Ásia Central à Turquia.

Leia mais: “Turkistan Islamic Party thanks Shabaab for damaging Chinese embassy in Somalia”

Como esta investigação estabelece, o CMU não é um movimento de base, mas um guarda-chuva apoiado pelo governo dos EUA para várias organizações baseadas em Washington que também dependem fortemente de financiamento e direção dos EUA. Hoje, é a principal face e voz de uma operação separatista dedicada a desestabilizar a região de Xinjiang na China e, finalmente, derrubar o governo chinês.

Enquanto buscava orquestrar uma revolução colorida com o objetivo de mudar o regime em Pequim, o CMU e seus desdobramentos estabeleceram laços com os Lobos Cinzentos, uma organização turca de extrema direita que está ativamente engajada na violência sectária da Síria ao Leste Asiático. Nenhum desses links parece ter incomodado os patrocinadores do CMU em Washington. No mínimo, eles aumentaram o apelo da rede, consolidando-a como uma das armas políticas mais potentes que os Estados Unidos manejam em sua nova Guerra Fria contra a China.

O Congresso Mundial Uigur, trazido a você pelo braço de mudança de regime do governo dos EUA

O CMU promove-se como um “movimento de oposição contra a ocupação chinesa do Turquistão Oriental [sic]” que “representa os interesses coletivos” e é “a única organização legítima do povo uigur tanto no Turquistão Oriental como no exterior”. Com sede em Munique, Alemanha, o CMU é uma organização guarda-chuva internacional com uma rede de 33 afiliados em 18 países ao redor do mundo. O CMU e seus afiliados – particularmente a Associação Americana de Uigures, o Projeto de Direitos Humanos dos Uigures e a Campanha para os Uigures – são citados em quase todas as reportagens da mídia ocidental sobre os muçulmanos uigures da China.

Desde o seu início, o CMU foi apoiado pelo National Endowment for Democracy (NED). Com milhões em dinheiro do contribuinte dos EUA, o NED e suas subsidiárias apoiaram partidos de oposição, grupos da “sociedade civil” e organizações de mídia em países visados ​​pelos EUA para mudança de regime. Philip Agee, o falecido denunciante da CIA, descreveu o trabalho do NED como uma versão mais sofisticada das operações secretas antiquadas que Langley costumava projetar. “Hoje em dia”, explicou Agee, “em vez de ter a CIA circulando nos bastidores e tentando manipular o processo inserindo dinheiro aqui e dando instruções secretamente ali, e assim por diante, eles agora têm um ajudante, que é o National Endowment for Democracy, NED”.

A avaliação de Agee foi confirmada por Allen Weinstein, um ex-trotskista e membro fundador do NED. Weinstein disse ao Washington Post em 1991 : “Muito do que fazemos hoje foi feito secretamente há 25 anos pela CIA”. Quando o CMU foi fundado em 2004, a então oficial sênior do programa da NED para a Ásia, Louisa Coan Greve , elogiou a mudança como uma “grande conquista”. O NED forneceu ao CMU milhões de dólares em financiamento , incluindo US $ 1.284.000 somente no ano de 2016, e milhões de dólares em financiamento adicional para organizações afiliadas ao CMU.

Os subsídios são destinados ao treinamento de ativistas e jovens uigures em defesa da mídia e lobby “para aumentar a conscientização e o apoio aos direitos humanos uigures”, com foco particular no Congresso dos Estados Unidos, Parlamento Europeu e Nações Unidas. Em 2018, o NED forneceu ao CMU e seus desdobramentos cerca de US $ 665.000, de acordo com o site da antiga organização. O NED desempenhou um papel direto na definição da direção e da política do CMU. Além de promover organizações afiliadas ao WUC com agentes do NED como Coan Greve, o NED patrocina e organiza “Seminários de Treinamento de Liderança” anuais para o CMU desde 2007.

Crédito: reprodução The Grayzone.

Muitos membros líderes da CMU também trabalharam em cargos de chefia na Radio Free Asia (RFA) e na Radio Free Europe / Radio Liberty (RFE / RL). Essas agências de notícias administradas pelo governo dos Estados Unidos foram criadas pela CIA durante a Guerra Fria para projetar propaganda na China e na União Soviética e para incitar a oposição ao comunismo nas fronteiras desses países. Sem surpresa, o CMU está estreitamente alinhado com a agenda de política externa de Washington e a nova estratégia hostil da Guerra Fria, que busca conter e impedir a ascensão da China. O CMU reúne-se regularmente e faz lobby com os políticos dos EUA e do Ocidente, instando-os a isolar e “aumentar a pressão sobre a China”; aumentar as sanções econômicas; restringir os laços com a China e retirar as empresas ocidentais da região.

O CMU celebrou a aprovação da Lei Uigur de 2019 pela Câmara dos Representantes dos EUA, em dezembro de 2019. O projeto, que exigia que o governo Trump promulgasse sanções contra o governo chinês, foi o mais recente em uma série de conquistas anti-China. Esse aparato de mudança de regime teve seu impacto mais forte por meio da mídia, fornecendo uma fonte constante de dissidentes uigures e histórias de terror sobre os direitos humanos para repórteres ocidentais ansiosos. A exposição que o CMU e seus afiliados recebem vai muito além dos meios de comunicação corporativos conhecidos por ecoar os pontos de discussão da política externa de Washington; até mesmo meios de comunicação aparentemente adversários, progressistas e de esquerda, como The InterceptDemocracy Now! e a Jacobin Magazine proporcionou-lhes uma plataforma acrítica.

Embora adotem a narrativa do CMU, esses auto-intitulados veículos alternativos parecem nunca mencionar os laços estreitos que a organização e seus desdobramentos estabeleceram com o Estado de Segurança Nacional dos EUA e os movimentos etno-nacionalistas de direita no exterior. Mas os relacionamentos não são segredo. Na verdade, eles parecem ser uma fonte de orgulho para a liderança do CMU.

As raízes de extrema direita do movimento uigur pelos “direitos humanos”

Por trás de sua marca de direitos humanos cuidadosamente construída, o Movimento Separatista Uigur emergiu de elementos em Xinjiang que vêem o socialismo como “o inimigo do Islã” e que buscou o apoio de Washington desde o início, apresentando-se como soldados ávidos pela hegemonia dos EUA. O pai fundador deste movimento separatista foi Isa Yusuf Alptekin. Seu filho, Erkin Alptekin, fundou o CMU e foi o presidente inaugural da organização. O Alptekin sênior é referido como “nosso último líder” pelo CMU e atual presidente Dolkun Isa.

Nascido na virada do século 20, Alptekin era filho de um funcionário do governo local de Xinjiang. Ele recebeu uma educação amplamente islâmica quando jovem, pois sua família pretendia que ele fosse um estudioso religioso. Durante a Guerra Civil Chinesa que durou entre os nacionalistas e comunistas de 1945 a 1949, Alptekin serviu sob a administração nacionalista do Kuomintang (KMT) em Xinjiang. Ao longo desse período, o KMT recebeu apoio militar e econômico maciço dos Estados Unidos – incluindo bilhões de dólares em dinheiro e equipamento militar, junto com o envio de dezenas de milhares de fuzileiros navais dos EUA – em um esforço para reprimir a revolução chinesa.

Ao mesmo tempo, de acordo com a historiadora Linda Benson, Alptekin “tornou-se mais ativo tanto no Guomindang [sic] quanto na política nacional … e se reuniu várias vezes com [o líder do KMT] Chiang Kai-shek pessoalmente.” Para Alptekin e outros viajantes que avançavam o nacionalismo turco e a eventual independência da região, “igualmente importante era a necessidade de proteger a terra que eles chamavam de Turquestão Oriental do comunismo soviético e chinês, ambos vistos como perigos reais e presentes para os povos islâmicos“.

Leia mais: “Uygur Politicians of the 1940s: Mehmet Emin Bugra, Isa Yusuf Alptekin and Mesut Sabri”

Para o KMT , ativistas uigures como Alptekin eram os principais candidatos para a administração provincial de Xinjiang. Como Benson explicou, “[a] qualificação essencial para tais nomeados … era que eles fossem anticomunistas e anti-soviéticos.” Em suas memórias, Alptekin revelou que “procurou eliminar todos os russos e esquerdistas do governo” e disse que “as escolas também foram incentivadas a incluir ensino religioso em seus currículos”. Um oponente fervoroso da miscigenação, Alptekin trabalhou para evitar casamentos entre chineses han e muçulmanos uigures.

Durante seu tempo no governo, fundamentalistas religiosos “atacaram as casas de chineses han que eram casados ​​com mulheres muçulmanas [sic] […]. A multidão sequestrou as esposas muçulmanas e, em alguns casos, as infelizes mulheres foram forçadas a se casar com velhos muçulmanos“. Embora a violência tenha matado vários chineses han, ela prosseguiu sem qualquer resposta do governo durante o mandato de Alptekin.

À medida que a guerra civil avançava, Alptekin ficou frustrado com o declínio do poder dos nacionalistas e reuniu-se com os cônsules americanos e britânicos em Xinjiang, suplicando às potências gêmeas que aprofundassem sua intervenção na China e na região. Com a vitória da Revolução Chinesa, Alptekin foi para o exílio em 1949. Alptekin acabou estabelecendo-se na Turquia, emergindo como o líder proeminente do Movimento Separatista Uigur ao longo da segunda metade do século XX. Ele se propôs a angariar apoio internacional para a causa da independência do Turquestão Oriental, cortejando autoridades dos EUA e ideólogos neo-otomanistas de extrema direita na Turquia.

Alptekin, segurando um livro, lidera uma manifestação em apoio ao separatismo do Turquestão Oriental em 1966. Alptekin está diante de uma faixa que diz: “O comunismo é o inimigo do Islã”. Crédito: reprodução do Grayzone.

O líder separatista uigur escreveu várias vezes ao então presidente dos Estados Unidos, Richard Nixon, pedindo-lhe que apoiasse o separatismo do Turquestão Oriental. Em uma missiva de 1969 ao presidente, Alptekin declarou total apoio à guerra dos EUA no Vietnã: “Estamos esperançosos e satisfeitos que os EUA, como fortaleza da liberdade, estão protegendo as nações cativas”, afirmou. Altepkin então implorou por sua “Excelência” Nixon e os EUA, “o mais iminente protetor das nações cativas”, para apoiar a independência do Turquestão Oriental.

Alptekin escreveu a Nixon no ano seguinte para alertar sobre os males da “China Vermelha”. Ele classificou o país como “uma grande ameaça que o mundo inteiro liderado pelos Estados Unidos da América está enfrentando. Esta ameaça está agora em processo de evolução para engolfar a Terra. Se o tempo for permitido, isso pode perturbar o equilíbrio do mundo e prejudicar as nações livres”. “O mundo inteiro tem motivos para estar apreensivo com a China Vermelha”, Alptekin insistiu para Nixon, “pois é provável que seja uma ameaça irresistível [sic] na terra … A China hoje é uma das maiores nações do mundo onde o ensimo do marxismo foi implementado … A China pode provar ser uma ameaça maior para todo o mundo, e essa ameaça provavelmente causará uma destruição total das nações livres se elas não forem prudentes e previdentes”.

Alptekin aconselhou Nixon a combater a “guerra chinesa de conquista mundial” apoiando movimentos separatistas, nomeadamente os nacionalistas do Turquestão Oriental, e “acelerando o processo de desmembramento do império chinês“. Mapeando uma estratégia detalhada de mudança de regime para Washington, Alptekin exortou os EUA a gerar apoio para sua causa entre o “mundo livre”, criando um instituto acadêmico para estudar “todos os aspectos” das nacionalidades minoritárias que vivem na China, desenvolvendo propaganda na mídia, visando as nacionalidades minoritárias e operando “uma rede de rádio para esses povos em suas respectivas línguas”; “Elaborar um plano para garantir [a] colaboração” de nacionalidades minoritárias e “treinar os filhos dos exilados não chineses no exterior”. Em 1970, Alptekin viajou a Washington para encontrar-se com membros do Congresso dos Estados Unidos e falar na Câmara dos Representantes .

Alptekin e outros separatistas do Turquestão Oriental se encontraram com membros do Congresso dos EUA em uma viagem a Washington em 1970. Crédito: reprodução do Grayzone.

Formando laços com nacionalistas turcos fascistas e etnossupremacistas

Ao apelar para o apoio de Washington, Alptekin desenvolveu fortes laços com a extrema direita turca. Seus laços repousavam sobre uma base sólida de zelo anticomunista e nacionalismo neo-otomanista pan-turco. Em várias ocasiões, Alptekin encontrou-se com Alparslan Türkeş, um fascista ultranacionalista que acreditava ardentemente na superioridade étnica turca sobre minorias como curdos e armênios, e para quem a erradicação do comunismo entre as populações turcas da Ásia Central Soviética e Xinjiang era “o sonho que ele mais amava ” .

Alparslan Türkeş e Isa Yusuf Alptekin. Crédito: reprodução Grayzone.

Türkeş foi líder de longa data do Partido de Ação Nacionalista (MHP) de extrema direita e de seu braço paramilitar, os Lobos Cinzentos. De acordo com o Washington Post, ele liderou um grupo assassino de “terroristas de direita” que são “cegamente nacionalistas, fascistas ou quase isso, e empenhados no extermínio dos comunistas“. O grupo militante fascista matou vários ativistas de esquerda, estudantes, curdos e notoriamente tentou assassinar o Papa João Paulo II. Com treinamento militar dos EUA, Türkeş cofundou a célula turca da Operação Gladio , a rede de grupos paramilitares anticomunistas apoiados pelos EUA e pela OTAN que realizaram vários atos de terror e sabotagem em toda a Europa.

Alptekin parece ter compartilhado a política odiosa de Türkeş e da extrema direita turca, muitas vezes expressando pontos de vista anti-armênios, incluindo a negação do genocídio armênio e alegações de que os armênios eram assassinos de turcos inocentes. A direita turca abraçou o Movimento Separatista do Turquestão Oriental de braços abertos, apelando a eles como uma base-chave de apoio político. “Os mártires do Turquestão Oriental são nossos mártires”, afirmou Recep Tayyip Erdoğan , então prefeito de Istambul, ao inaugurar um parque com o nome em homenagem a Alptekin, após a morte do nacionalista uigur em 1995.

Nas últimas décadas, o movimento separatista uigur aprofundou suas conexões com Washington e o Estado de Segurança Nacional dos Estados Unidos. O CMU e suas organizações afiliadas – incluindo a Associação Americana de Uigures, o Projeto de Direitos Humanos dos Uigures e a Campanha para os Uigures – são formados por indivíduos com laços diretos com o governo dos EUA, militares e instituições de mudança de regime. Inspirada por revoluções coloridas pró-mercado livre geradas pelo governo dos EUA nas ex-repúblicas soviéticas da Ásia Central, a rede de mudança de regime do CMU estabeleceu uma meta clara de desestabilizar a China e derrubar seu governo.

Com a promessa de destruir a China, os líderes do WUC ganham a adulação e o apoio do Ocidente

Em 2004, Erkin Alptekin foi nomeado presidente inaugural do CMU . Ele é filho da figura paterna ultranacionalista e de extrema direita do Movimento Separatista Uigur, Isa Yusuf Alptekin, cujos antecedentes serão explorados posteriormente neste artigo. De 1971 a 1995, Erkin Alptekin trabalhou para na rede de mídia RFE / RL financiada pelo governo dos EUA. Falando no funeral de seu pai, em 1995, o jovem Alptekin esboçou suas visões anticomunistas e separatistas e articulou seu desejo de destruir a China: “Dez anos atrás, ninguém acreditava que a URSS iria desmoronar, agora você pode ver isso. Muitos países turcos têm sua liberdade agora. Hoje, a mesma situação se aplica à China. Acreditamos que em um futuro não muito distante veremos a queda da China e a independência do Turquestão Oriental”.

O CMU descreve Alptekin como um “amigo próximo” do Dalai Lama, a figura de proa do separatismo tibetano apoiado pelos EUA e financiado pela CIA . “Estamos trabalhando em estreita colaboração com o Dalai Lama”, disse Alptekin ao The Washington Post em 1999. “Ele é um exemplo muito bom para nós”. Em 2006, Erkin Alptekin foi sucedido como presidente do CMU por Rebiya Kadeer, uma autodenominada imobiliária multimilionária e empreendedora comercial que lucrou com as reformas econômicas da China na década de 1980 e afirma ter sido o sétimo indivíduo mais rico do país. De acordo com o The New York Times, “A [d]issidência de Kadeer trouxe o fim de seu Audi, suas três vilas e seu vasto império de negócios”. O marido de Kadeer, SIdik Rouzi, trabalhou para os meios de comunicação do governo dos Estados Unidos, Voice of America e Radio Free Asia.

Durante seu mandato como presidente do CMU, Kadeer reuniu-se com o então presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, em várias ocasiões. Enquanto Bush travava sua guerra ilegal no Iraque e perseguia a liderança muçulmana americana sob os auspícios de sua chamada “guerra ao terror”, Kadeer apelou ao Chefe de Estado dos EUA para assumir a causa dos muçulmanos uigures. “Fiquei profundamente honrada em me encontrar com o presidente”, afirmou Kadeer.  Ela “expressou gratidão pelo compromisso demonstrado do presidente Bush em promover a liberdade e a reforma democrática na RPC”.

Na Conferência Internacional de Democracia e Segurança de 2007 em Praga, Bush elogiou Kadeer como uma defensora dos direitos humanos em seu discurso antes do encontro. A conferência foi organizada pelo Instituto de Estudos de Segurança de Praga, um grupo de reflexão que visa o avanço das sociedades de livre mercado em Estados pós-comunistas, e o Instituto Adelson de Estudos Estratégicos, uma organização israelense nomeada em homenagem ao barão republicano ultra-sionista dos cassinos Sheldon Adelson. Os parceiros da conferência incluíram o governo dos EUA e a OTAN.

Kadeer manteve relações estreitas com o Dalai Lama e Vaclav Havel, o líder da “Revolução de Veludo” que derrubou o governo comunista da Tchecoslováquia. Havel foi um “grande proponente da OTAN” e fundamental para a expansão da aliança militar ocidental para o leste. Kadeer descreveu Havel como “um defensor intransigente da verdade, da justiça e da paz” e apontou suas realizações políticas como um exemplo a ser seguido pela China. “A visão do senhor Havel para o povo tcheco […] fala aos democratas chineses hoje”, escreveu Kadeer, após a morte de Havel, e “contém […] as sementes de uma nova era para a reforma política na China”.

O atual presidente do CMU é Dolkun Isa, vencedor do Prêmio de Democracia 2019 do NED. Em 2016, Isa recebeu um prêmio de direitos humanos da Victims of Communism Memorial Foundation, de extrema direita, criada pelo governo dos Estados Unidos em 1993. Em seu discurso de aceitação, Isa enfatizou “a resistência dos uigures ao comunismo” e que “nós não vamos descansar até que consigamos o fim desta ideologia destrutiva, nas palavras de Ronald Reagan, para fazê-la ‘o monte de cinzas da história’”.

Isa regularmente faz lobby junto aos políticos estadunidenses e ocidentais para intensificar sua nova agenda da Guerra Fria, decretando sanções econômicas e restringindo os laços com a ChinaEntre aqueles com quem se reuniu nos últimos anos estão funcionários da Casa Branca do governo Trump , o senador republicano de direita Ted Cruz , o Cônsul Geral dos Estados Unidos em Munique e o fervorosamente anti-China Diretor de Inteligência Nacional, Richard Grenell.

Em novembro de 2019, Isa participou do Halifax International Security Forum, um encontro convocado pela OTAN e pelo Departamento Canadense de Defesa Nacional. Lá, ele se encontrou com importantes figuras políticas e militares ocidentais. Em janeiro de 2020, Isa foi anfitriã de um evento organizado pelo Conselho de Deputados dos Judeus Britânicos, um grupo de lobby de direita britânica israelense. No evento, Isa encontrou-se com a organização ultra-sionista Bnei Akiva, cujo líder pediu que o Exército israelensetomasse os prepúcios de 300 palestinos” em meio ao ataque punitivo de Israel na Faixa de Gaza em 2014.

Omer Kanat atua como presidente do Comitê Executivo do CMU. Kanat ajudou a fundar o CMU e tem sido um elemento permanente em sua liderança executiva. O veterano operativo tem uma longa história de trabalho com o governo dos EUA, desde servir como editor sênior do Serviço Uigur da Radio Free Asia de 1999 a 2009 até cobrir as guerras dos EUA no Iraque e Afeganistão e entrevistar o Dalai Lama para a rede. Em uma entrevista com o editor do The Grayzone, Max Blumenthal, em uma cerimônia de premiação do NED em 2018 no prédio do Capitólio dos Estados Unidos, Kanat recebeu o crédito por fornecer muitas das alegações sobre os campos de internamento em Xinjiang à mídia ocidental. Ele admitiu, no entanto, que o CMU não sabia como a tão repetida alegação de “milhões de detidos” foi feita, além das “estimativas da mídia ocidental”.

Preparando-se para uma revolução colorida, os desdobramentos do CMU aliam-se a agentes do Estado de Segurança Nacional

Fundada em 1998, a Associação Americana Uigur (UAA, em inglês) é uma afiliada do CMU com sede em Washington DC. Outorgado há muito tempo do NED, o UAA recebeu milhões de dólares em financiamento. De acordo com seus registros fiscais publicamente disponíveis , o grupo trabalha em estreita colaboração com o governo dos EUA, particularmente o Departamento de Estado dos EUA, a Comissão Executiva do Congresso na China (CECC) e a Comissão de Direitos Humanos do Congresso dos EUA.

O National Endowment for Democracy tem apoiado excepcionalmente a UAA”, declarou Nury Turkel , ex-presidente da UAA, “fornecendo-nos orientação e assistência inestimáveis”, juntamente com “financiamento essencial”. Turkel creditou o NED por permitir que a UAA aumentasse sua credibilidade e expandisse sua influência. Entre as principais realizações que ele citou foi uma reunião com o novo governo do Quirguistão “poucas semanas após a queda [do antigo governo] do poder”, após a “revolução colorida”, projetada pelos EUA, que levou um regime pró-Ocidente ao poder.

Falando no 5º Congresso da UAA, em 2006, Turkel confirmou a agenda de mudança de regime da UAA, Projeto de Direitos Humanos dos Uigures e do Movimento Separatista Uigur mais amplo, declarando queenquanto testemunhamos a ‘Revolução das Tulipas‘ e a derrubada do antigo governo do Quirguistão, nossas esperanças foram novamente reforçadas”. A liderança da UAA consiste em operadores de segurança nacional dos Estados Unidos, incluindo funcionários do governo dos Estados Unidos, Radio Free Asia e complexo militar-industrial.

Kuzzat Altay, sobrinho de Reibya Kadeer, é o atual presidente da UAA. Altay também é o fundador da Rede de Empreendedores Uigures, que afirma oferecer aos americanos uigures orientação para “iniciar seu próprio negócio”. Em 2019, sua rede de negócios organizou um evento em colaboração com o FBI, a agência federal de aplicação da lei conhecida por sua vigilância de muçulmanos estadunidenses e por enredar incontáveis ​​jovens muçulmanos estadunidenses com problemas mentais em conspirações terroristas fabricadas.

Crédito: reprodução Grayzone.

Os ex-presidentes da UAA incluem Kadeer; Alim Seytoff, ex-correspondente da Radio Free Asia e atual diretor do Serviço Uigur da RFA; e Ilshat Hassan Kokbore, que trabalha na Booz Allen Hamilton desde 2008. Booz Allen é um notório empreiteiro privado das forças armadas e de inteligência dos Estados Unidos que arrecada bilhões de dólares em contratos com agências de inteligência estadunidenses. Edward Snowden era funcionário da empresa quando decidiu denunciar o sistema invasivo e abrangente de vigilância em massa da Agência de Segurança Nacional.

O principal projeto derivado da UAA e do NED é o Projeto de Direitos Humanos dos Uigures (UHRP, sigla en inglês). A UHRP foi fundada pela UAA em 2004 com o NED como a principal fonte de financiamento. O NED concedeu à UHRP incríveis $ 1.244.698 entre 2016 e 19. A UHRP é formada por líderes do CMU como Omer Kanat e Nury Turkel, junto com ex-funcionários do governo dos Estados Unidos e membros seniores do NED. A Dra. Elise Anderson atua no Escritório do Programa Sênior da UHRP para Pesquisa e Advocacia. Em 2019, Anderson serviu como seguidora de  Liu Xiaobo, ocupando um cargo na Comissão Executiva do Congresso sobre a China em homenagem ao dissidente chinês de extrema direita que apoiava o colonialismo, o militarismo dos EUA e a “ocidentalização” da China.

Anderson afirma que de 2012 a 2016, ela “morou fora de Ürümchi, a capital regional de Xinjiang”, conduzindo pesquisas para seu doutorado. A extensão de suas atividades na região não é clara, pois o currículo de Anderson indica que, durante esse tempo, ela também estava trabalhando para o governo dos Estados Unidos como “Ürümchi Warden para a Embaixada dos Estados Unidos em Pequim, China, 2014–16”. Louisa Coan Greve, a ex-vice-presidente da NED, hoje atua como Diretora de Defesa Global da UHRPGreve trabalhou anteriormente como vice-presidente do NED.

Leia mais: “Do supporters of Nobel winner Liu Xiaobo really know what he stands for“?

Rushan Abbas, o “ativista de direitos humanos” favorito do estado de segurança nacional dos EUA

Outra organização influente derivada da rede CMU é a Campanha pelos Uigures. Este grupo é liderado por Rushan Abbas, a ex-vice-presidente da UAA. Promovida simplesmente como uma “ativista dos direitos humanos” uigur pelos meios de comunicação ocidentais, inclusive pelo Democracy Now! , Abbas é, de fato, uma antiga agente militar e do governo dos EUA. Abbas  orgulha-se em sua biografia de sua “ampla experiência de trabalho com agências governamentais dos EUA, incluindo Segurança Interna, Departamento de Defesa, Departamento de Estado e várias agências de inteligência dos EUA”.

Enquanto trabalhava para a empreiteira militar L3 Technologies, Abbas serviu ao governo dos Estados Unidos e à chamada guerra contra o terrorismo do governo Bush como “consultora na Baía de Guantánamo, apoiando a Operação Liberdade Duradoura”. Abbas “também trabalhou como linguista e tradutora para várias agências federais, incluindo trabalho para o Departamento de Estado dos EUA na Baía de Guantánamo, em Cuba, e para o presidente George W. Bush e a ex-primeira-dama Laura Bush”. Como tantos de seus colegas, Abbas desfrutou de uma passagem pela Radio Free Asia.

Crédito: reprodução do Grayzone.

Embora Abbas uma vez tenha compartilhado sua história de colaboração com o governo dos EUA abertamente, ela tentou limpar informações biográficas de sua presença online após uma desastrosa aparição publicitária em dezembro de 2019. Durante um fórum de perguntas e respostas “Ask Me Anything” do Reddit, os participantes criticaram Abbas como uma “ativo da CIA” e colaboradora frequente do governo dos EUA, o que levou a sua tentativa de fazer desaparecer sua biografia da internet.

Além de colaborar com o governo dos Estados Unidos, a experiência profissional de Abbas consiste em auxiliar a expansão do capitalismo dos Estados Unidos no sul global. Ela se vangloria de trabalhar com empresas de consultoria como a ISI Consultants, que “auxilia empresas dos EUA a expandir seus negócios no Oriente Médio e nos mercados da África”. Abbas afirma ter “mais de 15 anos de experiência em desenvolvimento de negócios globais, análise estratégica de negócios, consultoria de negócios e assuntos governamentais em todo o Oriente Médio, África, regiões da CEI, Europa, Ásia, Austrália, América do Norte e América Latina”.

Comemorando os Lobos Cinzentos, propondo a intervenção militar dos EUA e da Turquia

Junto com seus extensos laços com Washington, o CMU e o Movimento Separatista Uigur têm mantido conexões estreitas com a extrema direita turca. Em 2015, membros dos Lobos Cinzentos afiliados Partido Ação Nacionalista (MHP, em turco), anteriormente liderados por Alparslan Türkeşatacaram turistas sul-coreanos na Turquia, confundindo-os com cidadãos chineses, em protesto pela situação em Xinjiang. O líder do partido MHP turco, Devlet Bahçeli, defendeu os ataques. “Como você vai diferenciar entre coreano e chinês?”, o político de direita questionou. “Os dois têm olhos puxados. Isso realmente importa?”. Os comentários racistas de Bahçeli coincidiram com a exibição de uma faixa dos Lobos Cinzentos na sede do partido em Istambul com os dizeres “Nós desejamos sangue chinês”.

Os Lobos Cinzentos e os militantes uigures foram acusados ​​pela polícia nacional da Tailândia e por um analista da IHS-Jane de realizar um atentado a bomba em 2015 contra um santuário religioso na Tailândia, que matou 20 pessoas. O ataque tinha como objetivo uma vingança contra a decisão do governo tailandês de repatriar um grupo de muçulmanos uigures para a China. Pequim alegou que os uigures estavam a caminho da Turquia, Síria ou Iraque para juntarem-se a grupos extremistas que lutam na região, como o Movimento Islâmico do Turquestão Oriental (ETIM, em inglês), ou Partido Islâmico do Turquestão (TIP), afiliado à Al-Qaeda.

Leia mais: Movimento Islâmico do Turquestão Oriental entra na lista negra do Reino Unido

Meses antes do atentado, um grupo de 200 manifestantes agitando bandeiras do Turquestão Oriental atacou o consulado tailandês em Istambul em resposta à repatriação uigur. O grupo teria sido levado pelos lobos cinzentos e Associação de Cultura e Solidariedade do Turquestão Oriental. A última organização era chefiada por Seyit Tümturk, que atuou como vice-presidente do CMU de 2008 a 2016 e pertencia ao panteão fundador da organização. O CMU continua a publicar artigos em seu site que elogiam e celebram Alparslan Türkeş, o fundador ultranacionalista e de extrema direita dos Lobos Cinzentos e líder do partido MHP de longa data. Seu site também promove o endosso do separatismo do Turquestão Oriental pelos líderes atuais do MHP e dos Lobos Cinzentos .

Ao construir laços com a extrema direita turca, os principais representantes do CMU apelaram ao presidente turco Erdogan para assumir um papel intervencionista na China semelhante às ações da Turquia na Líbia e na Síria, onde deu suporte aos esforços de mudança de regime dos EUA, Ocidente e vários de grupos de inclinação extremistas. Escrevendo para o Wall Street Journal em 2012, Nury Turkel argumentou que a Turquia pode desempenhar um papel de liderança na “mobilização de democracias” para pressionar a China em Xinjiang: “Como um aliado de longa data dos EUA e vizinho da Europa, a Turquia está excepcionalmente bem situada para fazer isso“. Como um primeiro passo nesta estratégia, Turkel propôs que a Turquia “deveria organizar uma conferência de ‘amigos dos uigures’ com aliados democráticos – semelhante às organizadas para a Líbia e a Síria – discutindo a visão de Ancara e os objetivos políticos em relação ao povo uigur na China”.

Outros representantes importantes do CMU endossaram vocalmente o intervencionismo militar turco. As declarações políticas de Seyit Tümturk, que atuou como vice-presidente do CMU , destacam a política extremista e militante por trás da imagem cuidadosamente cultivada da organização como uma instituição de direitos humanos “pacífica e não violenta”. Em 2018, Tümturk declarou que os uigures chineses viam os “pedidos de Estado como ordens” turcos. Ele então proclamou que centenas de milhares de uigures chineses estavam prontos para alistarem-se no exército turco e juntarem-se à invasão ilegal e brutal da Turquia no norte da Síria “para lutar por Deus” – se ordenado por Erdogan.

 

Pouco depois dos comentários de Tumturk, militantes uigur vestidos com uniformes militares turcos e no lado turco da fronteira com a Síria divulgaram um vídeo no qual ameaçavam declarar guerra contra a China: “Escutem seus cachorros bastardos, vocês veem isso? Nós triunfaremos!” um combatente exclamou. “Nós vamos matar todos vocês. Ouçam, civis chineses, saiam do nosso Turquestão Oriental. Estamos avisando. Devemos voltar e seremos vitoriosos”.

A segunda parte desta investigação irá detalhar a relação sombria entre o aparato de lobby do CMU, governos ocidentais e organizações extremistas violentas como o Partido Islâmico do Turquestão Oriental, que estão travando uma guerra religiosa separatista do oeste da China à província síria de Idlib.

Atualização: NED orgulha-se de financiar grupos uigures anti-China

(Nota do editor por Ben Norton – 11 de dezembro de 2020)

O NED apoiado pelo governo dos EUA gabou-se em sua conta oficial no Twitter em 10 de dezembro de 2020 que “o National Endowment for Democracy financiou grupos uigures desde 2004”. A organização ligada à CIA mostrou um mapa da China com a região ocidental de Xinjiang entalhada, ocupada pela estrela azul e a bandeira crescente usada pelos separatistas uigures, que chamam a área de “Turquestão Oriental”.

No início daquele ano, em maio, o Congresso aprovou a Lei de Política de Direitos Humanos Uigur de 2020, que ordenou ao Escritório do Diretor de Inteligência Nacional (ODNI, em inglês), meios de comunicação apoiados pelo estado da Agência dos Estados Unidos para Mídia Global (USAGM) e o Departamento de Estado monitorarem de perto a situação na província chinesa de Xinjiang e apresentar relatórios regulares. A lei também ameaçou com sanções contra altos funcionários chineses.

O NED assumiu o crédito pela aprovação desta legislação, alardeando em seu site, “ Ato de Política de Direitos Humanos Uyghur baseia-se no trabalho dos beneficiários do NED ”. A organização vinculada à CIA escreveu: “o National Endowment for Democracy (NED) concedeu US $ 8.758.300 a grupos uigures desde 2004, servindo como o único financiador institucional para a defesa dos uigures e organizações de direitos humanos”. Entre os grupos escolhidos pelo NED como donatários estavam o Congresso Mundial Uigur, o Projeto de Direitos Humanos Uigur, a Campanha pelos Uigures e o Projeto de Banco de Dados de Justiça Transicional Uigur.

O autodescrito oficial do “Programa da NED na China, Hong Kong e Turquestão Oriental / Xinjiang”, Akram Keram, vangloriou-se: “Como resultado do apoio do NED, os grupos de defesa dos uigures cresceram institucional e profissionalmente ao longo dos anos … Esses grupos desempenharam papeis essenciais na introdução da causa uigur em vários cenários internacionais, regionais e nacionais contra as falsas narrativas da China, levando a voz uigur aos mais altos níveis internacionais, incluindo as Nações Unidas, o Parlamento Europeu e a Casa Branca. Eles forneceram recursos factuais em primeira mão que documentam as atrocidades no Turquestão Oriental, informando e inspirando a introdução de resoluções, sanções e apelos à ação relevantes para responsabilizar o Partido Comunista Chinês”.

Fonte: texto originalmente publicado em inglês no site do The Grayzone.
Link direto: https://thegrayzone.com/2020/03/05/world-uyghur-congress-us-far-right-regime-change-network-fall-china/

Ajit Singh
Advogado e jornalista. Ele é autor colaborador de: Keywords in Radical Philosophy and Education: Common Concepts for Contemporary Movements (Brill: 2019)

Tradução do inglês para o português: Alessandra Scangarelli Brites, editora da Revista Intertelas

Deixe seu comentário

por Anders Noren

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: