Um mar de falsificações: como Moscou perdeu a guerra na internet

Crédito: Revista International Affairs.

O piloto que derrubou seis aviões de guerra russos, foi apelidado de ‘Fantasma de Kiev”.

Uma coluna de equipamentos russos queimados perto de Konotop”.

A Ilha das Serpentes foi recapturada”.

Essas mensagens rapidamente tornaram-se virais nos canais do Telegram em russo, que são uma importante fonte de informação para a mídia mundial. A impressão é que a Rússia já perdeu a guerra e sua última reserva são os 10.000 guardas do presidente checheno Kadirov, um exército do “mal absoluto”, que foi visto alinhando-se do lado de fora do “sombrio” palácio do líder checheno, preparando-se para ser enviado à Ucrânia. Bem, também parece que a Rússia perdeu a guerra, a guerra das falsificações.

A primeira vez que os canais do Telegram em ucraniano foram pegos em uma mentira foi na manhã de 24 de fevereiro, apenas algumas horas após o início da guerra, quando começaram a divulgar fotografias dos primeiros tanques russos derrubados pelos militares ucranianos. Logo ficou claro, no entanto, que as fotos foram tiradas na Síria, há vários anos atrás, mas as informações não verificadas sobre as perdas russas já tinham sido divulgadas pela grande mídia. O fato é que os russos involuntariamente viram-se como joguetes nas mãos do pessoal de relações públicas da Ucrânia. Os russos avançam em colunas móveis e autodirigidas. Portanto, se um veículo quebra, eles simplesmente o abandonam, porque precisam mover-se rapidamente. É preciso lembrar que o alcance de cruzeiro (sistema que controla automaticamente a velocidade de um veículo automotor) de um tanque ou veículo de combate de infantaria é bem menor que o de um jipe ​​civil.

Muito antes, os autores de tais postagens parecem totalmente imperturbáveis ​​com a presença na foto de pessoas locais, ocupadas drenando combustível que milagrosamente sobreviveu no tanque do veículo blindado explodido! Isso, no entanto, empalidece em comparação com as imagens em que “o mesmo piloto” está derrubando um caça russo Sukhoi sobre Kiev. Desta vez, publicações sérias verificaram o vídeo apenas para descobrir que a coisa toda não era nem mesmo uma montagem, mas uma gravação tirada de um simulador de voo por computador.

Enquanto isso, os russos ficam calados, já que a zona de combate do lado deles está fora dos limites dos jornalistas. O porta-voz do Ministério da Defesa, general Igor Konashenkov, dá breves instruções a cada poucas horas. No entanto, ele não mostra prisioneiros e fotos da ilha Zmeiny queimada, nem convida jornalistas a conectarem-se a um canal do Telegram fechado, onde fotos de hardware ucraniano destruído são constantemente postadas. Infelizmente, tal recurso simplesmente não existe. O mundo até soube da destruição do sistema de defesa aérea ucraniano pela mídia ucraniana, que mostrou sombriamente lançadores e antenas de radar queimados. Quanto aos russos, eles aparentemente foram muito tímidos para mostrar seu sucesso.

Como resultado, o mundo acredita que a Rússia está perdendo a guerra. E isso, apesar do fato de que apenas 12 horas após a invasão, a água potável começou a fluir novamente para a Crimeia através de um canal, que foi bloqueado em 2014, e os combates já estavam em andamento na própria Kiev. Além disso, se, de acordo com a mídia ucraniana, milhares de soldados russos já foram mortos, quem está agora atacando Mariupol e cercando Kharkov? Qual é a razão para tal falha de relações públicas? A razão é a mentalidade!

Preocupadas com o sigilo e desconfiadas da mídia, as autoridades russas mantêm os jornalistas afastados da zona de guerra, proíbem seus militares de usar celulares e não se importam muito com a eficácia de seu próprio centro de imprensa. Os generais russos querem tomar Kiev e derrotar aqueles a quem chamam de “nazistas ucranianos” no Donbass. Eles sabem como travar uma guerra moderna e móvel, mas não pretendem trabalhar com a mídia.

Como resultado, tudo o que vemos é apenas um punhado de vídeos do “lado russo” postados por voluntários das repúblicas não reconhecidas de Donetsk. Não é assim com as autoridades ucranianas, que dominaram a arte da propaganda militar da era moderna e já estão colhendo seus frutos. Por exemplo, na noite de 25 de fevereiro, o primeiro-ministro ucraniano Shmyhal estava prestes a colocar US$ 12,5 bilhões em títulos de guerra nas bolsas de valores. Esses títulos são líquidos, sem dúvida, porque a mídia está repleta de histórias sobre uma rejeição ucraniana bem-sucedida ao agressor.  Infelizmente, o que temos nesta guerra agora é, por um lado, um fluxo de falsificações arrogantes e silêncio completo do outro. Bem, o provérbio russo diz que “o silêncio é de ouro”, e os próximos dias mostrarão se é realmente assim!

Fonte: Texto originalmente publicado em inglês no site da International Affairs.
Link direto: https://en.interaffairs.ru/article/a-war-of-fakes-how-moscow-lost-the-war-on-the-internet/

Tradução, edição texto e pesquisa de fotos e vídeos– Alessandra Scangarelli Brites – Intertelas

Deixe seu comentário

por Anders Noren

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: