Três documentários investigam as obsessões dos EUA: Raça, Rússia e Vietnã

Se a produção ficcional estadunidense está dominada pela infantilização dos ‘filmes-produto”, onde estúdios como a Marvel definem limites estéticos e narrativos para seus filmes, sua produção documental não pode ser acusada de flertar com a mediocridade. Nos últimos anos, vários e bons documentários vem sendo lançados, discutindo e refletindo a complexidade do país para além das simplificações e mitificações do senso comum.

Recentemente assisti três séries que merecem a atenção do público, tanto pelo seu rigor histórico e reflexivo, como pela urgência dos temas que aborda. Além disso, investigam a obsessão do país com os temas que determinam o debate público: O Racismo (e a ascensão e queda dos seus heróis – um tema bastante “americano”), a Rússia (ou a Russofobia tóxica dos últimos anos) e o Trauma Vietnamita, que ainda assombra e assusta sua sociedade.

São elas:

1) O.J: Made in America (2016) – O documentarista Ezra Edelman apresenta um doloroso e fascinante retrato do astro do futebol americano, O.J. Simpson, e todo o processo de envolvimento e cooptação do astro pela establishment econômico e político estadunidense, tornando-se uma espécie de produto da América branca e institucional, servido como vacina às críticas dos movimentos negros e de direitos humanos que clamavam por direitos civis da população afro-americana, e de como essa óbvia tensão e contradição em torno do personagem explode quando ele é envolvido, como suspeito (e virtual assassino), na morte da ex-mulher (branca) e seu amante. Ai o documentário, que já era excepcional, torna-se eletrizante. Dos 5 episódios, 2 são dedicados ao “julgamento do século”, que parou os EUA, acirrando ainda mais a questão racial naquele pais. A série é muito mais que a clássica narrativa de ascensão, glória e queda de um personagem histórico. É uma tragédia típica daquele país…

Crédito: Roger Ebert.

O documentário é brilhante no uso da edição, que processa testemunhos com material da época, compondo um quadro social complexo de uma nação, ousando discutir racismo, machismo e a própria justiça estadunidense. Com muito mérito venceu o Oscar de melhor documentário em 2016 e torna-se, desde já, uma série obrigatória para quem quer se aprofundar no tema da tensão racial naquele país.

Título: O.J. Made in America (Minisérie documental)
País: EUA
Direção:  Ezra Edelman
Elenco:  Kareem Abdul-JabbarMike AlbaneseMuhammad Ali
Duração: 7h47min (5 episódios)
Lançamento: 4 de agosto de 2016 (Espanha)
Idioma: inglês
Legendas: português

2) As entrevistas de Putin (2017) –  o Presidente Russo é entrevistado pelo grande Oliver Stone em sucessivos encontros realizados num intervalo de dois anos. A série torna-se um documento histórico importante no sentido de dar voz para um personagem que é constantemente estereotipado pela imprensa internacional. E apresenta um Putin que sabe exatamente o que deve e não deve dizer. Mesmo assim, revela-se um xadrezista político de primeira grandeza.

Crédito: Conversa Afiada.

E Oliver Stone continua na sua marcha solitária de denunciar a plutocracia estadunidense, que ele entende ter sufocado a outrora democracia estadunidense. O que se mostra um tema dominante em toda a sua carreira. Um importante relato histórico, que mostra uma contida intimidade de Putin, mas inconstante enquanto obra documental, no sentido de não conter nenhuma grande informação ou relato histórico relevante.

Título: The Putin Interviews (Minisérie documental)
País: EUA
Direção: Oliver Stone
Roteiro: Oliver Stone
Elenco:  Oliver StoneVladimir PutinSergei Chudinov
Duração: 58 min (4 episódios)
Lançamento: 12 de junho de 2017 (EUA)
Idioma: inglês, russo

3) A Guerra do Vietnam (2017) –  Outro excepcional e épico documentário sobre a guerra do Vietnamita, dirigido por Ken Burns e Lynn Novick.  Acredito que, sob a perspectiva estadunidense, a série seja uma visão definitiva sobre o conflito que marcou (e traumatizou) os EUA. Distribuídos em 10 capítulos, a série não economiza e dedica tempo e análise sobre os principais personagens do conflito, sejam eles estadunidenses e vietnamitas. Com farto acervo de imagens históricas, a série destaca as contradições e impossibilidades de uma guerra assimétrica que foi vencida pelo inacreditável e aguerrido Vietnam, que lutava pela sua independência desde meados do século XIX!!!

Crédito: Ken Burns.

A série é pedagógica ao apontar os erros de cálculo e a ignorância estratégica estadunidense em lidar com a questão vietnamita, muito por conta das pressões da guerra fria, mas contando também com a cegueira (que só aumentou desde Reagan) da elite política-militar daquele país. Uma série que impressiona pela sua vasta pesquisa e por mostrar que a ferida vietnamita no orgulho (e na psique) estadunidense ainda não cicatrizou completamente.

Título: The Vietnam War (Minisérie documental)
País: EUA
Direção: Ken Burns e Lynn Novick
Roteiristas:  Geoffrey C. Ward
Duração: 16h30min (10 episódios)
Lançamento: 17 de setembro de 2017
Idioma: inglês

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: